terça-feira, 23 de março de 2010

Silêncio

Silêncio lento 
Que me trespassa
Vestido de luar
De suaves encantos
Ensina-me a amar.
Nas feridas abertas
Há presentes de dor
Com roupas vermelhas
E palavras frias 
Que não trazem amor.
Os pensamentos correm  
Das montanhas azuis
Quase por magia
E da luz que alumia 
Palavras vazias
Que sufocam a voz
De palavras nuas. 
A noite no silêncio 
São gritos ausentes
Que se fazem presentes 
De silêncio e paz
Deixa-me sonhar
luiscoelho