terça-feira, 25 de maio de 2010

Quem sou eu





A minha voz perdeu-se gota a gota,
Na chuva e na terra ressequida,
Com os gritos do vento enlouquecida,
Atirou-se em vendavais de saca rota,
Semeando as palavras que não disse.


Andei sem nada, agarrando os próprios gritos,
Vesti as cores de árvores imaginárias,
Desfolhei os ramos de folhas solitárias,
Senti as mãos tecendo aqueles ritos,
Esvaziando no olhar as sombras tristes.


Ouvi o chão respirar de pensamentos,
E as folhas que se enchem de lamentos.
Já não sei a cor dos lábios que beijei
Nem das vidas e tormentos que passei
Pergunto apenas quem sou eu aqui presente ?


Luíscoelho