quarta-feira, 16 de junho de 2010

soltei o olhar

Soltei o olhar pensativo
Na madrugada distante.
Deixei-o ir na penumbra 
Que o tempo vai apagando.
Renasceram os desejos,
Os sonhos e as aventuras, 
E o olhar correu campos, 
Subiu montes e viu o horizonte
Bebeu água pura dos ribeiros 
E de todas as nascentes.
Descansou finalmente 
Em prados verdejantes
E desejou viver infinitamente 
Aqueles belos instantes.
Soltei o olhar dos pensamentos 
Dos projectos e encontros,
Dos desencontros e dos sonhos 
Que se mostravam na manhã
Suave e fresca sem prisões. 
Foi livre e belo esse olhar 
Que veio no tempo e ainda vem
Reforçar o desejo de paz e bem
E ninguém pode impedir 
De viver as minhas ilusões.


Luíscoelho