segunda-feira, 28 de março de 2011

O Baloiço

  


(fotos do google)


Nunca fomos meninos de ter grandes brinquedos, mas sempre tivemos muita imaginação. Todos juntos fizemos coisas que os mais velhos ficavam de olhos arregalados. Alguns exclamavam mesmo: - Como é que eles conseguem inventar estas coisas... ? 

Havia as carretas, os arcos, os piões, as fundas, as ventoinhas feitas com as cascas dos eucaliptos e tantas coisas que nos deixavam viver e sonhar na mais perfeita liberdade. Não era fácil trabalhar um pau apenas com uma faca, um serrote de mão ou um simples podão.


Imaginávamos os brinquedos e tínhamos de lhe dar forma com as ferramentas que havia cá em casa. Devíamos redobrar de cuidados para não nos magoarmos, pois algumas ferramentas eram muito perigosas.


No final parecia-nos que os nossos piões rodopiavam mais e melhor do que aqueles que os pais dos nossos amigos lhes compravam na feira.



                                                                                        



Um dia pensámos em construir o nosso baloiço. 

Encontramos uma corda e demos início ao projecto. Nem pensámos duas vezes. 
Fomos para um barracão grande ao lado da casa. Havia lá um sótão de madeira velha e desconjuntada que servia para guardar o feno para os animais.


Subímos por uma escada e procurámos o melhor sítio para passar a corda por um dos muitos buracos existentes entre as tábuas. Depois amarrámos uma travessa de madeira na corda de modo a que a mesma aguentasse o nosso peso quando tudo estivesse pronto.


Em baixo os outros ferviam de expectativa. Todos queriam experimentar balouçando-se na corda suspensos apenas pelas mãos. Hoje lembraríamos o Tarzan na selva africana, saltando entre as árvores.
Concluímos o trabalho atando na outra ponta da corda e cerca de trinta centímetros do chão, outro pau redondo, onde nos sentávamos com a corda no meio das pernas. 

Foram momentos de loucura. A fila de espera mantinha-se sempre renovada. Os que saíam do baloiço iam para o último lugar. Quem tinha a missão de empurrar eram os que aguardavam a próxima viagem no pendular.

Dado este baloiço funcionar apenas com uma corda acontecia muitas vezes começarmos a rodopiar perdendo o equilíbrio. Tínhamos mesmo de pedir ajuda para não cair para o lado de cabeça tonta.

Um dos mais velhos pensou em pedir uma outra corda para equilibrar o baloiço. Aquilo com duas cordas seria muito melhor. Foi uma descoberta maravilhosa. Estávamos encantados... Já não andava tantas vezes à roda.

Foram dias de encanto numa algazarra muito grande, mas a grande descoberta ainda deveria acontecer que era aproveitar o balanço do corpo e das pernas para fazer andar o baloiço por mais tempo sem ter de pedir ajuda a ninguém. 


Por vezes, o pai, tirava um pouco do seu tempo para nos aperfeiçoar os brinquedos. Isso era muito  importante. Ele conseguia deixar tudo tão perfeito e seguro e acabava por nos dar as melhores lições de vida. 


- É preciso lutar sempre por alguma coisa que se deseja e todos os dias retocar as arestas para aperfeiçoar as nossas conquistas.
- Não precisamos de fazer muitas coisas, mas aquilo que fizermos que seja perfeito. Nesse tempo nem sempre compreendíamos o alcance destas frases, mas hoje reconhecemos o seu valor. 
Luíscoelho