terça-feira, 24 de dezembro de 2013

Trocar tempo

Foto de António Almeida Nunes.
(foto de António Nunes FacebooK - 20/12/2013)


Era cedo ainda. A manhã acordava fria.
A mãe cuidava das coisas na cozinha sem fazer barulho. Não desejava por nada deste mundo que a canalha acordasse. Roubavam-lhe espaço para poder trabalhar e enchiam a casa de perguntas a que não sabia responder.
Sem saber como, eles apareceram. Descalços e desagasalhados vieram todos para a cozinha.

- Meninos ide dormir e deixai-me trabalhar.
Gostava tanto de poder estar mais tempo na caminha, sem ter de suportar este frio que me corta as mãos e o rosto...
-Oh mãe, agente quer ficar aqui ao pé de ti...assim…e aninharam-se todos três em cima de um banquito de madeira, colados à parede. Ela deixou de ter força para os enxotar.

- A nossa vida é dura, continuou a mãe. Tenho de deixar tudo pronto até à hora do pessoal chegar. Hoje temos um rancho de pessoas que vem pagar tempo. Vão sachar (mondar) o milho para a Lagoa d'Água.
Precisam de levar o farnel e um pouco de vinho e água. Não posso  perder tempo...
Os olhos dos garotos tornaram-se maiores e as perguntas vinham assim sem querer... "Pagar tempo"?
O clarão da fogueira iluminava a casa.

- Diz-nos lá o que é essa coisa de pagar tempo...?
Nunca ouvimos isso e o tempo é sempre o mesmo... Ontem, hoje ou amanhã. Nós não podemos pegar um pouco de tempo e dar-to para pagar o mesmo tempo...
- Mãe disse o mais velho, gostava muito de poder pagar-te o tempo que gastas connosco.
- Eu também,  eu também. Disseram os mais novos sem entender essa coisa de pagar tempo...

- Vocês lembram-se dos dias desta semana que fui trabalhar para outras pessoas. Hoje essas pessoas vêm retornar o tempo que eu trabalhei para elas. Não recebo nem pago. Fazemos apenas uma troca.
Algumas pessoas, hoje, vêm ganhar tempo. Depois terei de ir para elas outro dia pagar este tempo. Um dia vocês vão entender.- Há, pois...agente também vai trocar tempo...Não vai mãe?
- Quem sabe se vocês um dia poderão fazer o mesmo que nós. Tudo nesta vida se transforma.
A mãe quase nem olhava para eles. Continuava os seus trabalhos numa ordem que vinha do seu interior. O ritmo era intenso. Punha mais uma cavaca debaixo da panela ou via o tempero. Contava os talheres e os pratos para que não faltasse nada.

Depois começou a meter tudo, muito arrumado, dentro da poceira, cesto grande de vime.
No final parou e disse:
- Agora tenho de colocar aqui o tacho com as batatas e a carne guisada. As outras coisas vão no fim, por cima ou dos lados.
Sentados no banco os cachopos observavam tudo atentamente. Gostavam de fazer mais perguntas mas não queriam aborrecer a mãe.
- Nós também vamos ajudar. Vamos ganhar tempo...
Vocês já gastaram muito tempo com as nossas coisas, não foi?

Os olhos da mãe ficaram parados. Brilharam mais que o fogo da lareira, mas não disse nada. Olhou-os a todos com tanta ternura que não saiu uma só palavra.
Mais tarde ouviram-na comentar com o pai:
- Não sei onde é que estes garotos vão buscar estas coisas...parece-me que não são conversas da idade deles...

Que Deus guarde e proteja sempre os nossos meninos.
Luíscoelho

Dezembro/2013

21 comentários:

  1. Muito lindo e sempre tocante! Feliz Natal! Tuuuuuuuuuuuuuuuuuuudo de bom,abração,chica

    ResponderEliminar
  2. Oi Luis
    Adorei o texto
    Gostaria de trocar meu tempo, mas não tenho mais tempo.kkk
    Passando para desejar-lhe um bom Natal junto com a família.
    Beijos
    Lua Singular

    ResponderEliminar
  3. Luis.
    Um conto relato muito bem escrito. Evocar o tempo e viver novamente e eu adoro esse tipo de texto.
    bjkas doces
    Feliz Natal e um ano vindouro com muita prosperidade.

    ResponderEliminar

  4. *Luís, neste texto você fala da

    tua mamãe e dos teus irmãos ?!

    Que história bonita !!! Mãe

    trabalhando , filhos ao lado dela,

    ensinamentos de vida, família !!!

    *Luís, vim aqui para TE

    AGRADECER pelos teus comentários

    no meu amado *Caderninho e para

    TE DESEJAR UM SANTO NATAL com a

    família unida e reunida, muitos

    bons comes e bebes à mesa e

    alegria , paz no coração !!! :))

    *Um beijo.

    P.S. - *Tânia, minha filha, gostou

    muito do teu comentário na minha

    página sobre a foto dela e

    observou que és UM POETA !!! :))

    ResponderEliminar
  5. A chama, a lareira, o banco, os 3 meninos... Alguns dos elementos essenciais a uma infância feliz, simplesmente porque envolve Amor!

    ResponderEliminar
  6. Hola amigo paso a saludarte y desearte una hermosa u feliz navidad junto a los tuyos que la paz, la alegría reinen en tu hogar, felicidades para ti y los tuyos que seas muy feliz.

    Besos feliz semana.

    ResponderEliminar
  7. Belo conto, a amor de mãe é uma benção de Deus.


    ¸.•°♡♡⊱彡
    Muita paz e muita luz em nossas vidas, no Natal e sempre!!!

    ⋱ ⋮ ⋰
    ⋯ ✰ ⋯
    ⋰ ⋮ ⋱


    ░F░E░L░I░Z░
    N░A░T░A░L░!!!

    ¸.•°♡♡⊱彡

    ResponderEliminar
  8. Tão bela história Luís!!
    Vim trazer votos de um feliz natal para você e sua família e um ano novo de muitas alegrias, paz e amor.

    Beijosss

    ResponderEliminar
  9. Que lindo!!!
    Embora já estejamos no final deste Dia de Natal, quero desejar-lhe a continuação de Boas Festas.
    Um abraço
    Lita

    ResponderEliminar
  10. Olá! Que linda e peculiar forma na escrita, que lembra algo de Jorge Amado! abração

    ResponderEliminar
  11. Lindo, as crianças sempre nos surpreendem pela capacidade de captar sentimentos e expressa-los.

    ResponderEliminar
  12. Estimado Amigo Luís

    pois
    não venho "pagar tempo"
    ou será que venho?

    Venho sim
    pagar da mesma forma
    o tempo que usaste
    para visitar o meu blog
    e deixar um comentário!

    que bom receber o teu comentário sobre a minha última escapadinha de 2013 à Golegã;

    Pois eu também só sabia que é terra de cavalos,
    mas descobri outras maravilhas
    que em breve mostrarei
    nos próximos posts.


    Natal já passou
    não gosto da hipocrisia
    que existe no Natal
    por isso, nem andei desejando bom natal a ninguém
    quero sim desejar

    Feliz novo ano
    que nos traga as maiores felicidades e principalmente saúde a ti e toda a família

    em 2014 ficarei em casa
    sem trabalho,
    sem reforma e sem dinheiro
    daí que as minhas maravilhosas
    viagens de férias
    vão acabar...
    estou muito triste
    mas a vida é assim...

    Abraço amigo da Tulipa

    ResponderEliminar
  13. Olá, Luis!

    Trabalho emprestado, tal com nalguns lugares mais pequenos acontecia com as broas...
    Bonito texto,Luis.

    E como este Natal já lá vai, aqui deixo os votos de FELIZ ANO NOVO!
    Um abraço
    Vitor

    ResponderEliminar
  14. Luis Coelho, um texto a comportar o bucolismo de outros tempos. Vivi tudo isso no século passado. Recordar é viver,
    Festas felizes com um abraço!

    ResponderEliminar
  15. Luís passo apenas para deixar o meu beijinho,mais tarde voltarei para ler os seus textos que tanto gosto, mas infelizmente aminha disponibilidade está a ser canalizada para outras coisas inesperadas.

    beijinho e uma flor

    ResponderEliminar
  16. UN TEXTO CON UN CIERRE MUY REFLEXIVO.
    UN ABRAZO

    ResponderEliminar
  17. Seo Luis, obrigado pelos comentários durante o ano de 2013 em meus blogs. Espero que eu possa contar com os mesmos no proximo ano.

    Feliz 2014

    ResponderEliminar
  18. Passando pra te desejar um abençoado ano novo.
    Meu novo blog: http://umanjotriste.blogspot.com.br/
    bjs

    ResponderEliminar
  19. Querido amigo.

    Meu desejo para os que habitam
    o meu coração,
    é um mergulho no tempo,
    onde cada dia,
    é um dia de ano novo,
    e cada sonho,
    uma senha a ser descoberta,
    nesta caminhada rumo a alegria.

    Muito obrigado por sua amizade.
    Que sejamos e façamos felizes a cada dia.

    ALUÍSIO CAVALCANTE JR.

    ResponderEliminar
  20. O encanto e a ternura a que nos vais habituando.
    Pedaços de vida que se nos colam e nos fazem sonhar.
    Luis, que 2014 te mantenha nesta senda.
    Um abraço.

    ResponderEliminar

Cada comentário é uma presença de amizade