domingo, 21 de junho de 2009

Volta para mim

Quando tu não estás procuro-te sem cessar
Com tanta saudade que me quer matar
Enlouqueço a procurar e sempre chamando
Reponde-me e volta aqui, para o teu lugar.
Não sou canário, cotovia ou outra ave qualquer
Canto o que sei e porque gosto de cantar
Mas se este canto não presta manda-me calar.
Volta para o nosso lar, não me digas que não
Não mandes mais sofrimento ao meu coração.
Não te faças rogada nem tão rica assim
Vê bem o que ficou desta saudade sem fim.
Se nos entendermos faremos uma boa casa
Se não nos respeitarmos seremos tábua rasa.
Vem porque anoitece e a noite arrefece
E também a nossa alma de saudade padece.
Não me fujas nem te escondas ouve só a verdade
Há quem ande perdido na sua vaidade.

luiscoelho