quinta-feira, 10 de fevereiro de 2011

A Noite

noite[1].jpg
 foto do google


Vem a noite em seus passos
Silenciosa e atrevida.
Abraça-me, provoca-me
Troca-me os pensamentos.
Não me reconheço,
Nem sei quem sou.
Perdido neste manto escuro
Sobram-me cheiros descoloridos
E os sons desencontrados.
Sobram-me os rumores dos dias
Caídos pelas estradas
Cansadas das caminhadas
E tantos passos corridos
Que regressam apressados
Tantos dias já volvidos.
Haverei de chegar.
Ouvia a cada instante
Naquele vento cortante 
Que acabava de acordar.
A noite sozinha partia 
E começava outro dia
Num constante labutar.
luìscoelho