domingo, 6 de fevereiro de 2011

Meu grito

Meu grito perdido,
Agitado e ferido
Corre no passado
Num sonho ausente
E caminha magoado
Vivendo no presente.


Grito insatisfeito,
Que arde no peito
De noite ou de dia.
É lento e sedento
E faz este tempo
Uma lenta agonia


Grito presente
De vida semente
Cá dentro da alma
Caminhos de amor
Nascidos com dor 
A viver nos chama.
Luíscoelho