quinta-feira, 11 de setembro de 2014

Desentendido

Fotografia
(cá em casa)

Cansado, cansei de sonhar
Cansei de acreditar nas pessoas
Cansei de querer e poder confiar

Vieste despudorada acusar
Falaste e feriste sem pensar
Deixaste-me triste, a sangrar

Naveguei os textos escritos
Procurei as frases e os ditos
Diz-me, onde criei mexericos?

Não te procurei, nem te expulsei
De portas abertas a todos amei
Agora acusas-me que te assediei?

Estou velho e cansado
Amo e também sou amado
Mas nunca serei por outros guiado

Com o sono perdido
Por ter sido agredido
Só venho dizer-te:
- Não sou convencido
Nem quero aborrecer-te
Porque leste ou percebeste
O que nunca foi dito.
Luíscoelho
Set/2014