quinta-feira, 22 de janeiro de 2015

A menina Maria



(Noras no Moinho de Papel -Leiria)

Em Novembro de 2011 publiquei a história da Maria aqui no blogue. Recriei as magras lembranças que me sobraram e outras que eram do conhecimento público.
Esta semana tive conhecimento de mais abusos que lhe vão amargurando os dias. Agora com 82 anos sobram-lhe as doenças, o frio e o desprezo dos que deviam dar-lhe a mão.

Alguns dias, sem ter nada na mesa para se alimentar, vem para a rua e caminha sorrindo para todos. Na sua alma carrega a esperança de que alguém a irá ajudar.
- Será que alguém me vai oferecer um prato de sopa? Até mesmo um caldo de água quente?

Ontem dividiu a última fatia de pão em duas. O pão estava ressequido de tanto o guardar, mas os seus olhos brilharam de esperança pois cada parte seria um esconder da sua fome.
Hoje era dia de festa. Havia pão para o almoço. 
Depois será o que Deus quiser.
Juntou as duas mãos de silêncio. Orou e agradeceu.

Nem sabe quanto tempo ficou ali parada em frente daquele pedacinho de pão. Foram tantos os pensamentos que a assaltaram bruscamente e outras memórias que, sem querer, a fizeram reviver datas anteriores. Foram dias de mesa farta com pão para todos. Até os cães tinham direito a um caldo quente.
  

Hoje sobra-lhe um caneco com água da fonte. Santo Amaro alimenta-me com esta água que corre graciosamente na bica, ali à beira da estrada. Lá todos podem beber sem pagar, sem pedir por favor. A fonte é pública.

- Ai, meu Senhor e meu Deus! Ao que nós chegamos...Diz tentando aceitar toda a dor e tristeza.
À noite esconde-se como pode numa enxerga onde até os cobertores lhe cheiram ao bolor de uma sociedade falsa, hipócrita e injusta.
- Meu Deus se tanto pequei peço-Te perdão. Ajuda-me e dá-me forças para continuar a resistir.

Na sua humildade abdicou do usufruto daquela casa que foi depois vendida em hasta pública. 
Agora os novos proprietários querem forçá-la a sair de lá. Primeiro pediram-lhe aumento da renda. Depois entraram e roubaram-lhe as suas coisas. Levaram o que quiseram e espalharam o que sobrou pelo chão .

Recentemente cortaram-lhe os canos da garrafa de gaz de modo que o mesmo se espalhasse pelo interior da habitação.
Ao aproximar-se e sentindo o cheiro foi pedir socorro aos vizinhos que desligaram a garrafa e depois o quadro eléctrico.

O medo começa a tomar conta de todos os seus movimentos.
- Não tenho para onde ir. Não tenho família. Não tenho dinheiro.
A Maria desconhecia por completo o drama dos seus dias.
Prometeram deixá-la viver ali no seu canto, mas logo depois começaram as exigências.
Primeiro uma renda, depois um aumento para o dobro.

Finalmente são as ameaças.
- Tens de sair daqui. A bem ou a mal vais ter de sair. 
Agora são estes os sons que constantemente ouve dentro de si. 
Caminha e vai sorrindo.
Em silêncio suplica a Deus por misericórdia porque dos homens já nada espera, embruteceram no ódio, no desprezo e indiferença...
- Que será de mim?
Luícoelho
Janeiro/2015

Primeira Parte 

Menina e moça a trouxeram da sua aldeia, da sua casa e da sua família. Prometeram-lhe um mundo de felicidade e bem estar. 
Era uma moça vistosa, bonita e simpática.
O patrão, era um homem rico. Viúvo há bastantes anos, desde o nascimento da sua filha. 
A Maria cedo se viu dona de uma casa que não era a sua. Sozinha tinha de dar conta da cozinha, dos quartos e das roupas. Era muito trabalho.

O patrão era dono de uma das casas mais ricas desta região. Era uma casa agrícola mas tinha também uma parte comercial. Revenda e comércio de adubos, roupas e mercearia.
Havia trabalhadores fixos e outros que eram assalariados ao dia ou à semana. Trabalhadores a seco. Não tinham direito às refeições.

Cedo a Maria viu as manhas e artimanhas do patrão. Estava sempre a exigir mais trabalho sem recompensa nem pagamento.
Nesta casa não havia horários para os empregados terem os seus dias de folga ou as horas para descanso. Tinham de estar sempre disponíveis para todo o serviço e com boa cara.

Cedo a Maria conheceu a violência do seu amo que a forçava e a violava a seu belo prazer sempre que lhe apetecia.
Ela era franzina e não conseguia fazer-lhe frente e ele era manhoso e mau. Depois de a trancar num quarto obrigava-a a todas as sevícias de que era capaz. 
No fim exigia silêncio absoluto

A Maria vivia assustada pelos abusos diários e pelas dores que lhe causava, mas deixou-se vencer pelo medo. 
Se falasse ninguém iria acreditar nas suas palavras. Ele era um empresário rico e muito temido. 

Em troca do silêncio foi-lhe prometendo uma casa. 
- Um dia serás uma senhora e poderás viver a tua vida!...
A Maria viu outras moças serem abusadas pelo patrão e aqui as ameaças foram ainda maiores e mais graves.
- Se abrires a boca mato-te. Ficarás sem nada do que te prometi e ninguém acreditará no que disseres....

Foram longos anos de sofrimento silencioso até ao dia em que o velho morreu. Ela também tinha envelhecido. Estava magra e nem as roupas escondiam o seu corpo gasto. 
Pensava no seu íntimo - Agora, que irá ser de mim...?!
As filhas são herdeiras de tudo. Ele não passou de um mentiroso que se aproveitou de mim.

No testamento apareceu uma doação de "usufruto" de uma casinha em ruínas para a Maria. Por morte dela esta casinha pertenceria aos netos do falecido. 

Depois do funeral do patrão a herdeira mais velha, viúva e sem filhos, mandou a Maria, empregada, para a rua. 
- Tens a tua casa vai para lá... Aqui não ficas...
Esqueceu-se de uma vida de trabalho e dos abusos de que ela foi alvo. Ingratidão!... 
-Vou viver de quê...??? Ninguém me pagou, não me fizeram descontos para a Caixa de Previdência...

- A Senhora sabe dos abusos que o seu pai me fez? Julga-me culpada? Engana-se. 
Fui vítima, sem ninguém para me defender....Não podia falar, nem podia fugir....O mal estava feito e todos os dias eu tinha de suportar as dores e o desgosto sem me conseguir libertar daquelas garras.
- Não quero saber de mais nada, respondeu-lhe a herdeira. Hoje mesmo vais sair daqui. Desenrasca-te!

A Maria mudou-se levando consigo algumas coisas que lhe foram oferecendo. Reparou a habitação. Construiu uma casa de banho, e uma pequena horta.

Um dia vieram os herdeiros desta casa com uns papeis para  ela assinar, conta a Maria.
- São coisas das Finanças, não se preocupe. É uma hipoteca. 
Na sua boa-fé assinou sem ler nem pedir ajuda aos entendidos.
A Maria assinou a sua renuncia de usufruto em favor dos herdeiros.
Passados alguns meses, como os herdeiros não pagaram as dívidas, a casa e o quintal foi vendido em hasta pública.

Agora anda desesperada e nem sabe o que vai ser da sua vida.
- Enganaram-me, abusaram-me e agora despejam-me na rua sem nada... A vida foi madrasta má.
- Que mundo cão....que vida triste...
Não se vêem as lágrimas... percebe-se a sua dor e desilusão.
As cores são de um sangue ainda vivo a manchar-lhe os dias ....
Luíscoelho
Nov/2011