domingo, 4 de janeiro de 2009

Tempo

Todos os anos voam e fogem
Levando das nossas vidas
O brilho dos verdes anos
Perdidos em conquistas vãs
Em sonhos erguidos na areia
Construídos por mãos invisíveis
Em quimeras de luz perdida
Onde o tempo é rei e senhor
Nesta passagem rápida de luz
Nesta condição de passageiros
Embarcados neste espaço
Sem tempo nem preço
Acabamos e recomeçamos
Muitos anos muita vez

luiscoelho