domingo, 24 de abril de 2011

Páscoa - recordação


Foto google


Amanheceu lentamente, acordando-nos num frio suave. Era Primavera. Estávamos a chegar à festa da Páscoa. 
Nesta manhã deixaram-nos dormir mais tempo. Eram férias e era Sexta Feira Santa.
As rotinas aqui em casa eram sempre as mesmas. Apenas o Domingo seria diferente. 

Comemos um prato de sopa quente. 
- Comam meninos! Hoje é dia de jejum. Ninguém comerá mais nada até ao almoço, avisou a mãe.
Pelo aviso percebemos que não seria o dia indicado para as nossas birras de momento: - "não gosto disto".......

As palavras da mãe foram num tom de grande severidade e ainda num misto de respeito pela morte de Jesus. Era preciso fazer algum sacrifício e penitência. 
Pareceu-nos bem comer mesmo sem gostar. Estes dias de jejum eram para cumprir.
Não podíamos correr o risco de ser apanhados a procurar um naco de pão na cozinha. Se tal acontecesse, o castigo seria ainda maior que a fome.

Depois de limpar os pratos, saímos para o jardim. Este dia era dedicado a tratar das nossas flores. 
O pai, com uma enxada, já havia cavado todo o terreno, deixando os craveiros com um círculo de terra mais alta em toda a volta. Com a pá do sacho, batia nessa terra deixando-a lisa e muito certinha, parecia que lhes tinha construído um grande vaso de barro em toda a volta.


Junto à parede da casa alinhavam-se os goivos roxos e brancos. Na parte lateral eram plantados de novo os malmequeres brancos singelos.
Todos queríamos ajudar. O pai, deu-nos uma faca para limpar as canas e ensinou-nos como trabalhar sem nos magoarmos. Aproveitava aquelas canas que eram mais finas e que não serviam nem para estacas da vinha nem para o feijão verde. 


No final quando tivéssemos limpo uma quantidade razoável, ele cortava-as com um serrote de mão, de modo que todas as canas ficassem com o mesmo comprimento.
As canas eram espetadas na terras inclinando-as para a frente e outras incinando-as em sentido oposto o que dava uma cercadura muito bonita.


A alegria e a curiosidade de ver tudo bonito deixava-nos tão entusiasmados que nem se dava conta do avançar das horas.
A mãe na cozinha tinha quase o almoço pronto. Cheirava bem aquela comida feita à fogueira numa panela de ferro.

- O que é o almoço mãe...? Perguntámos quase ao mesmo tempo....
- Hoje vão comer sopa de feijão, com batatas e couves miúdas. São temperadas com azeite. 
- Depois podem comer sardinha assada. Não se esqueçam que até à noite não podem comer  mais nada. Esta foi a sua última recomendação.

Depois da sopa continuámos o trabalho do jardim. 
A mãe pegou numa foice e foi ao campo procurar junco. Era uma planta que crescia nas valas pouco fundas e com pouca água corrente.
Chamou a mana e foram por um carreiro em direcção aos campos do Liz onde havia muitas valas. 
A mãe sabia onde procurar o melhor junco.

Voltaram algum tempo depois e cada uma trazia à cabeça um molho daquela verdura. A mana estava feliz por ajudar a mãe naquela tarefa.
O trabalho no jardim estava quase pronto.
O pai pegou num pouco daquele junco e espalhou-o pelo corredor do jardim até à porta de casa. 
Agora tudo estava mais bonito. Faltava apenas colher uns ramos de louro e colocá-los nos cantos o que dava um ar de festa a toda a casa.

No domingo, tem de estar tudo pronto, limpo e enfeitado. Recordo aquele cheirinho que se perdia no ar do alecrim, louro e do junco. Toda esta azafama seria para receber a visita pascal.
Atrás da porta, o pai guardava dois ou três foguetes, que lançava logo que o senhor padre saísse de nossa casa com os seus acompanhantes.

Isto funcionava ainda como um código. Pelos foguetes calculava-se a que distância se encontrava o grupo da visita pascal. Os foguetes pelo estalido no ar  davam um ar mais solene a este acto que era aguardado com grande ansiedade.


A Sexta-feira Santa era um dia em que não se trabalhava no campo, mas que se tornava agradável pelo convívio da construção do jardim. Chegávamos até a ir ver os jardins dos vizinhos que eram geralmente iguais ao nosso.

Luíscoelho

56 comentários:

  1. Amigo Luis,
    Lindo e maravilhoso texto, com o teu cunho muito especial, que nos faz recordar e reviver a Sexta-feira Santa de outrora [e também de agora].
    Aproveito para te desejar uma Feliz e Santa Páscoa.
    Um abraço,
    Jorge

    ResponderEliminar
  2. Que coisa maravilhosa aquela simplicidade, magia que hoje não existe mais. Lindo,lindo e me emocino junto com as tuas recordações.

    FELIZ PÁSCOA! abraços,chica

    ::: (\_(\
    *: (=' :') :*
    ·.. (,('')('')¤°.¸¸.·´¯`»

    ResponderEliminar
  3. Luis
    Em cada texto consegues escrever uma autentica "peça" em que ao lermos nos sentimos actores, porque aí nos revemos. Quantos pormenores já haviamos esquecido e duma forma brilhante nos fazes reviver.
    Um grande abraço
    Boa Páscoa

    ResponderEliminar
  4. Amigo Luís, que recordações maravilhosas. Que bem que me soube ler este seu texto nesta manhã de Domingo de Páscoa. Boa Páscoa para si e para todos os que lhe são queridos. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  5. Sublime Amigo:
    Li o texto todo e deparei com rituais que eram rigorosamente cumpridos na altura da Páscoa, passados também comigo.
    Escreve com uma fluídez nas palavras extraordinária e perfeita literariamente.
    É um genial e gigante da escrita, digo-o, com seriedade e sinceridade.
    Maravilha tudo e todos.
    Que tenha uma Feliz Páscoa junto da sua família, é o que com franqueza e verdade sincera lhe desejo.
    É talentoso e um Ser Humano que fascina por onde passa.
    Abraço bem forte pela sua exímia forma de lidar com as palavras.
    Com respeito e sempre a admirá-lo

    pena

    É fabuloso.
    Honra-me a sua amizade.
    Bem-Haja, notável amigo.
    Adorei.

    ResponderEliminar
  6. Uma sexta-feira santa e um Domingo de Páscoa bem diferentes do que os que provavelmente passou este ano Luís :)Bons momentos de leitura como sempre. Continuação de um bom Domingo de Páscoa! beijinho

    ResponderEliminar
  7. Uma Pàscoa Feliz com muitos ovos de chocolate, amêndoas docinhas e coelhinhos fofos :)

    ResponderEliminar
  8. Boa Páscoa, Luís.

    Um abraço, está a família a chegar...

    Até mais logo

    António

    ResponderEliminar
  9. Amigo Luis... hoje acordei relembrando a magia que tinha a Páscoa da minha infância... agora encontro este teu escrito, lindo...
    Uma Páscoa Feliz e abençoada pra ti e tua família. Meu carinho, Ro

    ResponderEliminar
  10. Uma otima e abençoada Pascoa a ti e toda sua familia meu amigo,,,abraços fraternos.

    ResponderEliminar
  11. Unas costumbres que por desgracias se estan perdiendo de nuestra historia...me ha encantado y me has hecho recordar pasajes de mi infancia en estas fechas...un saludo

    ResponderEliminar
  12. Lembranças simples e encantadoras...
    Um maravilhoso domingo de Páscoa para ti e para os teus
    Um grande bj querido amigo

    ResponderEliminar
  13. Coisas para encantar o coração de quem lê e construir alicercer profundos, duradouros e de amor em quem viveu tão importantntes fatos.
    Este respeito que está faltando hoje nas pessoas.
    Amei Luís!
    Carla

    ResponderEliminar
  14. Faço um esforço,
    não para visualizar o descrito
    pois tudo foi dito com palavras que nos entram na alma, mas para imaginar o hoje, nessa paisagem. Estará lá uma mãe assim com esses valores respeitando as escrituras? Fará uma sopa, impondo o jejum? Ou será que o jejum já os fez sair dali e nem sequer resta o jardim? Foguetes a anunciar a apróximação da visita pascal? Sim, talvez. Mas quantas portas não mais se abrirão?
    E quem lá esteve guarda deles, apenas, uma terna recordação...

    ResponderEliminar
  15. "O que mata o jardim não é o abndono,e sim, o olhar indiferente de quem por ele passa." Feliz páscoa!

    ResponderEliminar
  16. Seu blog é muito bom por isso vim até o seu espaço e gostei muito do que li por aqui. Tenho um blog Tb gosto d++ de poemas. E estou te seguindo se VC puder da uma passada La no meu blog. E VAI SER UM PRAZER SE PUDER ME SEGUIR...Bejs . Déia.........
    Esse é o link do meu blog
    http://wwwdeiablog.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  17. Luis
    Como sempre adorei este seu conto.
    Em minha casa iamos ao junco com muita antecedência para secar e fazermos as esteiras para colocar por cima das tábuas do chão (soalho) esfregadas com sabão amarelo,caiavamos as paredes das casas, e colocavamos o junco em frente do portão para o padre saber que naquela casa existia o folar, (dinheiro) e ele deixava umas amendoas miudinhas,à saída deitava um foguete se o folar assim o valesse.Velhos tempos em que se vivia num mundo mais são.
    Abraço

    ResponderEliminar
  18. Descreves tudo tão lindo que dei comigo, menina, acompanhar-vos para todo o lado, também fui com a ma~e ao rio aos juncos, lembro deles e de o arrancarmos, ah, que cheirinho bom do que apanhávamos nos campos e da familia a fazer de tudo.



    Um beijinho da laura

    ResponderEliminar
  19. Que linda recordação de infância meu amigo.
    A sua memória e o talento para a escrita envolvem-nos completamente.
    Beijinhos e uma Páscoa Feliz!

    ResponderEliminar
  20. A lembrança e o respeito que nos era imposto desde crianças obrigava-nos a ser adultos á força e mesmo a participar nas mais importantes cerimónias litúrgicas próprias da época, fazendo-nos reflectir no mais intimo do nosso ser.
    Por isso acho que todo o texto é rico tanto em memória dos factos como em reflexão pessoal. por isso o meu obrigada. um beijo.
    mjc.

    ResponderEliminar
  21. Sempre me encanto com tuas lembranças bem contadas e ricas em detalhes.

    Ótimo início de semana.

    bjs

    ResponderEliminar
  22. Luís,
    Você fez-me reviver a época da Páscoa na minha juventude.
    Com uma série de pormenores que até já nem recordava.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  23. Seu texto fez eu recordar as histórias da minha mãe, do temo do sítio. Esse é o grande dom, escrever e fazer a imaginação voar, não é? abraços

    ResponderEliminar
  24. Uma belissima semana pra ti meu amigo,,,abraços fraternos...

    ResponderEliminar
  25. MEU BOM ESCRIBA E QUERIDO AMIGO LUIS,EXALASTE EM MEMÓRIA TUA,UMA PASCOA PASSADA, LINDA E INTENSA,EM TRIBUTO A ESTA!LIDO!



    PS AGRADEÇO DE CORAÇÃO, ACOMPANHAMENTO TEU EM CAMPOS MEUS, FELIZ ESTOU,AMIGO QUERIDO,DE PÉ,ERGUIDO SEM APOIO,ROTEIROS E SCRIPTS DEDILHANDO E A VIDA SORVENDO,TE ABRAÇO!
    TE ABRAÇO

    VIVA A VIDA

    ResponderEliminar
  26. rituais que ficavam para sempre na lembrança dos mais miúdos
    bjs

    ResponderEliminar
  27. Lidacoelho,
    a tendencia é sempre só mostrar aos outros aquilo que nos convem. Antropologia Visual que eu faço desmistifica isso....

    ResponderEliminar
  28. *Querido Luís !!! *

    *Como você está ?! Tudo bem ?!

    *Luís, gosto muito de ler os

    vossos textos !!! Vejo-me dentro

    das cenas que você descreve !!!

    Gosto deste clima bucólico,

    campestre, rural que permeia toda

    a sua existência !!! É

    maravilhoso !!! *São ALEGRIAS

    VERDADEIRAS !!! Momentos que as

    crianças e os jovens de hoje em

    dia não possuem : pai, mãe, casa

    própria; pais conversando com os

    filhos, orientando-os; educação

    religiosa ... a Humanidade está

    caminhando em direção ao

    capitalismo, materialismo e

    desprezando valores ESSENCIAIS !!!

    Essa é a VERDADE !!!

    *Luís, desejo-te uma *Feliz

    Páscoa !!! Que a ALEGRIA do

    *Cristo Ressuscitado traga-nos

    ESPERANÇA de uma Humanidade

    humana, saudável, alegre e

    tranquíla !!!

    *Boa semana, meu amigo querido

    daqui dessa linda *Blogosfera !!!

    *Deus te abençõe e te

    guarde !!!

    *Um abraço.

    ResponderEliminar
  29. Boas recordações é o que gostamos e devemos ter na vida.
    Boa tarde!
    Carla

    ResponderEliminar
  30. Boa noite Luís,
    E com muita saudade recordamos esse tempo! Eram tempos de fé e de respeito, de amor a Deus e ao próximo, sinto uma certa nostalgia, sempre que comparo as épocas e analiso o que já se perdeu.

    Beijinho,
    Ana Martins

    ResponderEliminar
  31. Hola amigo, bellas letras en este texto que me llenan de recuerdos de aquellos tiempos cuando fui niña y llegaba la pascua.....Un gusto leer tu historia. Te dejo un beso, cuidate.

    ResponderEliminar
  32. Um belissimo dia pra ti meu amigo...abraços.

    ResponderEliminar
  33. Pois é eu também me lembro bem da
    Sexta-Feira Santa em casa de meus
    pais, e nada substituí esse tempo.
    É sempre muito bom vir aqui ler
    os seus posts.
    Beijinho amigo.
    Irene

    ResponderEliminar
  34. Mais uma vez fui até à minha aldeia ajudar a minha mãe nos preparativos para receber a visita Pascal; tudo tinha que estar mais limpo do que o costume; andava-se quase uma semana a fazer as limpezas de Páscoa. Depois era aquela alegria à espera de ver os padrinhos aparecerem com os folares. No Domingo então vestia-se a melhor roupa e enfeitava-se o caminho até à porta de casa com flores para o padre saber que ali tinha de entrar. Era uma festa e no fim lá iamos nós comer o pão de ló que estava na mesa para servir o compasso, além de queijo, doces e amendoas. Bons tempos! Agora na minha aldeia muita gente vai de férias e já não recebe a visita pascal. Um beijo, Luis e obrigada por tão belas recordações

    ResponderEliminar
  35. Olá cara Luis!!
    Sendo o amigo já meu seguidor, gostaria de convidar para participar no meu Sorteio PoisZé, que comemora o lançamento da minha Loja Virtual, com muitos prémios. Gostaria também de ouvir a sua opinião ou críticas à Loja e teria o maior prazer em vê-lo como um das participantes do Sorteio e quem sabe ganhar uma das minhas peças.
    Um grande abraço, Zé Maria
    http://josemarialobatoartesanato.blogspot.com/

    ResponderEliminar
  36. Que criatividade!
    Abração!
    Quarta maravilhosa pra ti!

    ResponderEliminar
  37. Meu caro:

    A poesia é sempre (ou quase sempre metafórica)

    As minhas armas são a razão e o conhecimento!

    Um forte abraço

    ResponderEliminar
  38. Hola Luis, me ha gustado mucho leerte, que profundidad y que delicadeza en cada palabra escrita. te envío un abrazo grande y como ves, ya te sigo:) que tengas una buena semana!

    ResponderEliminar
  39. Grandes e ricas lembranças as tuas nos chegam assim em belíssimas narrações,parabéns almejando que a tua tenha sido uma feliz páscoa junto aos teus caros,abraços meus!

    ResponderEliminar
  40. Recordações de outros tempos...hoje nada tem a ver...
    Beijo d'anjo

    ResponderEliminar
  41. Oi Luís
    Belas recordações. Você deve ter tido uma infância feliz. Adoro ler os seus relatos.
    Grande abraço

    ResponderEliminar
  42. Meu Amigo
    Fez-me saudades a " tua" Páscoa. Tanto que fui revivendo á medida que lia este texto tão lindo.
    Felizmente no local onde vivo, recebo ainda a visita pascal e tal como tu dizes, quando mudam de rua, vem sempre com eles uma carrinha e alguém lança 3 ou 4 foguetes, enquanto as campainhas não páram de tocar pela rua abaixo.
    Vêm os vizinhos beijar a cruz aqui a casa e depois vamos nós num tropel, fazer o mesmo na casa deles. Acredita que gosto mais da Páscoa do que do Natal e foi sempre assim desde muito jovem, logo que compreendi o significado da Páscoa.
    Bj
    Graça

    ResponderEliminar
  43. Luis, paso a saludar, te dejo un beso, cuidate.

    ResponderEliminar
  44. Luis,

    Gostei muito deste texto, desses detalhes de quem viveu esses tempos por dentro do coração!...
    No mesmo ressaltam os valores, o respeito, a educação, a unidade familiar...a alegria de uma vida simples com a muita importância que tem essa simplicidade, que se foi perdendo...

    Um grande abraço,
    Manuela

    ResponderEliminar
  45. Pois fez-me sentir tais saudades também...
    Hoje isto tudo está tão longe.
    Esperávamos por datas assim... A semana Santa tinha um significado de meditação, de buscas, de renovações e de FÉ...
    Tinha magia estes tempos já idos...
    Talvez um dia voltem ou apenas passearão pelo nosso coração!
    Abraços

    ResponderEliminar
  46. ...eu fico encantada com a
    maneira tão gostosa que
    consegues colocar tuas
    palavras contando histórias
    de um tempo pra lá de feliz!

    como éramos felizes nos
    tempos de criança, meu Deus!

    da páscoa minha maior recordação
    é a alegria do encontro com os
    ovinhos de chocolate escondidos
    pela casa.

    velhos tempos...
    velhos dias...

    deixo bj emocionado!

    ResponderEliminar
  47. Meu querido amigo

    Recordações que ficam para sempre em nós e hoje ainda as recordamos com muito carinho e vão ficar sempre.
    Como sempre os seus textos nos transportam atráz no tempo e as viagens são sempre muito boas.

    Deixo um beijinho com carinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  48. "As grandes idéias surgem da observação dos pequenos detalhes." (Augusto Cury)

    http://www.eu-e-o-tempo.blogspot.com/

    http://www.lleandroaugustto.blogspot.com/

    Paz & Bem!

    Leandro Ruiz

    ResponderEliminar
  49. Aunque no domino bien el portugues, he querido pasar por las tuyas para intentar llegar a tus escritos.
    Un abrazo

    ResponderEliminar
  50. LUIS

    Um beijinho
    SER PALHAÇO


    Ser palhaço...
    É ser gente...
    E é saber...
    Rir...
    Quando apetece...
    Chorar...
    Ser palhaço...
    Muitas vezes...
    É vida...
    Muito dorida...
    Mas...
    O palhaço...
    Pinta a cara...
    Faz palhaçadas...
    Faz rir...
    E ao ver...
    A alegria...
    Dos outros...
    Também ele...
    Se sente feliz...
    E acaba por...
    Deixar de chorar!...

    LILI LARANJO

    ResponderEliminar
  51. "Todos querem o perfume das flores, mas poucos sujam as suas mãos para cultivá-las."

    (Augusto Cury)

    http://www.lleandroaugustto.blogspot.com/

    http://www.eu-e-o-tempo.blogspot.com/

    Um grande abraço: Leandro Ruiz

    ResponderEliminar
  52. Outros tempos... Belas recordações que o Luís nos traz sempre filtradas pelo seu olhar sereno e leve.

    Um beijo

    ResponderEliminar
  53. Passei..Achei o texto muito bom . Fez lembrar tempos de menina em que rigorosamente cumpria todos os preceitos.
    É sempre bela a Páscoa a quem lhe dá um cunho especial

    beijito da gota

    ResponderEliminar
  54. Que lindos e velhos tempos, aqueles duma infância plena de limitações mas feliz.
    Com o que me contas tive que retroceder no tempo e obviamente recordar, o bacalhau com farinha de mandioca, mas depois o pão de ló, os melindros, as cavacas, as amêndoas e os ovos às cores: o compasso e o cheirinho a feno...

    Um grande abraço, amigo

    ResponderEliminar

Cada comentário é uma presença de amizade