terça-feira, 22 de novembro de 2011

Reconstruir

(foto google)

São duas horas da manhã. Está frio e o ar húmido. Gostaria de dormir um pouco mais, mantendo-me no calor da cama, mas os pensamentos e os acontecimentos, as políticas e as notícias de cada dia remexem comigo.

Ontem, quis construir um lago, no jardim, ao lado do poço.
Havia uma torneira que corria  directamente para a terra levando a água por uma regueira  para a horta.

Todos os meses semeio e replanto novas coisas para consumo próprio: couves, alfaces, repolho, cenouras, brócolos, alho francês, pimentos e tudo o que se pode criar na terra durante o ano. Este tipo de horta agora renascido nas grandes cidades.

Aquela água é aproveitada para manter as plantas viçosas e bonitas. Depois a água que sobra vai regar as outras árvores: laranjeiras, macieiras, cerejeiras, damasqueiro e oliveiras.

Por outro lado preciso de ter um reservatório de água para uma emergência. Alguns dias a corrente eléctrica falha e ficamos sem água para nós e os animais. 

Tinha pensado em comprar um ou dois sacos de cimento e construir ali um tanque para lavar as verduras antes de as trazer para a cozinha. Iniciei aquele trabalho no Verão passado, mas por ter muito trabalho deixei as obras paradas.

Ontem fui buscar areia, num carro de mão. Juntei o cimento e misturei tudo até ficar com uma cor cinzenta de chumbo. Adicionei água e fui mexendo até que ficasse uma massa moldável e consistente.

Ali perto havia um monte de pedras de paredes antigas.
Escolhi algumas e lá fui dando forma a um lago pequeno. Reboquei as paredes interiores para conservar o lago vedado e no exterior colei as pedras mais pequenas e de formas bizarras. 

É pedra vulcânica arrancada nas encostas onde os meus avós plantaram as vinhas que agora foram abandonadas.
Esta pedra foi transportada, em carros de bois para a construção das suas habitações. 

No final do dia a chuva começou a cair com bastante intensidade. Não sei se o trabalho se perdeu.
Se, hoje, o tempo estiver bom, irei completar aquela tarefa e reparar o que a chuva danificou antes de secar.

Estou ansioso por ver a água a correr numa cascata como se fosse uma nascente natural e depois encher o lago de água cristalina transbordando em queda livre para a horta mais abaixo. 

Se conseguir haverei de anexar aqui uma foto. 
Gosto de trabalhos manuais. Ajudam-nos a entrar num mundo de sonhos e de encanto onde só as crianças e os simples habitam sem maldade nem guerras....
Precisamos todos de entrar nesse mundo, de ser pacíficos, cordatos, honestos e trabalhadores em prol de uma sociedade melhor e mais justa.
Luíscoelho