sábado, 7 de abril de 2012

A Ti Charuta





(foto google)


Passaram-se já muitos anos. Muitas coisas estavam adormecidas na poeira do tempo que teima em sepultá-las no esquecimento. Lentamente fui recordando a Ti Charuta. A casinha pequena onde viviam, lá em baixo no meio dos pinhais, a caminho do Paúl. 

Ao lado da casa, havia um carreiro por onde as pessoas caminhavam a pé e, logo a seguir, havia o caminho fundo de terra batida para os carros de bois. 
Do lado Sul desse caminho havia uma vedação de espinheiras que limitava a Quinta do Costa Pereira.
Cada Inverno, as chuvas arrastavam a areia do caminho, tornando-o ainda mais fundo e estreito. 

A pobreza e a resignação foram as sombras que agasalharam a família da Ti Charuta. 
Todos os dias víamos o fumo a sair pelas telhas do telhado. Ela tinha de fazer um caldinho para os filhos e o fogão era uma fogueira no canto da casa. 
Com pinhas e alguns paus secos, faziam uma fogueira onde se aqueciam e cozinhavam os alimentos.

Todas as manhãs, depois dos catraios saírem para a escola, ela e o marido iam ganhar o dia, como jornaleiros nas casas dos agricultores desta região.
Ao meio dia, comiam por lá a sua bucha (farnel). 

O pai contou que este casal apareceu por aqui sem nada. Nunca soube de onde vieram. Viviam ambos numa tenda feita com paus e ramos para se abrigarem.
Um dia, o povo, aqui da aldeia decidiu construir-lhes um abrigo melhor. Cada um deu o que podia. Meteram mãos à obra. Construíram esta casinha que eu conheci.

O proprietário deu o terreno delimitado por marcos. Começaram por abrir os caboucos  que encheram de pedras. Eram os alicerces, base das paredes de adobes (barro amassado e seco formando um tipo de tijolo grande).
Depois das paredes feitas montaram o telhado, duas portas e uma janela. Era uma divisão única mas já estavam abrigados das chuvas e do frio cortante do Inverno.
Ali criaram um rancho de filhos no maior respeito que se podia ter. Não se ouviam gritos nem palavras agressivas.

Na Páscoa recebiam a visita do Senhor Padre. Havia uma mesa encostada à parede onde colocavam sempre uma moeda pequena. Era aquilo que tinham. 
O Senhor Prior olhava a moeda e colocava lá mais algumas para que pudessem comprar pão para a ceia deles e dos filhos.
O Sacristão de capa vermelha, metia a mão num saco que ele segurava juntamente com a Cruz e deixava em cima da mesa algumas amêndoas pequenas e coloridas.

Os olhos dos garotos brilhavam com avidez procurando a amêndoa da sua cor preferida. Faziam contas e mais contas mas no final não chegariam para todos. Eles eram muitos e faltavam duas, mesmo tirando o pai e a mãe. Talvez eles não as quisessem.
O homem de capa vermelha não as contou. Não seria mais pobre e poderia ter deixado mais algumas...que pena...

A mãe viu a angústia nos olhos dos filhos. Quando o padre saiu pela porta da casa, ela lançou-lhe ainda um olhar de suplica que ninguém entendeu. 
Os garotos vieram com o pai para a rua e viram  o cortejo dirigir-se para a casa seguinte. A casa da Maria do Rio.


Depois entraram todos e esperaram que a mãe fizesse a divisão. 
Era ela que dividia o pão em fatias iguais, mas as amêndoas, essas eram mais difíceis de dividir. Os garotos iriam reclamar... o pedaço do mano é maior que o meu....

O silêncio corria por toda a casa e os foguetes deixaram de se ouvir. 
Então ela olhou os filhos com o seu ar de mãe e um sorriso de amor e disse-lhes:
- Não chegam para todos, mas todos queremos um bocadinho para recordar este dia.
Vamos parti-las. Depois vamos procurar fazer quinhões iguais.

Estenderam um pano branco na mesa e o pai foi buscar uma pedra. Limpou-a o melhor que pode e depois começou a parti-las uma a uma. A chama da fogueira reacendeu-se. Cada um recebeu pequenas migalhas de todas as amêndoas.
Nos olhos de cada um brilhava uma alegria que seria de todo impossível de descrever assim como o sabor de cada pedacinho do açúcar de amêndoa.

Os anos passaram. A Ti Charuta viu os filhos crescerem e saírem de casa. Depois da Escola Primária foram servir para casas abastadas. Eram todos rapazes e muito trabalhadores. O mais velho foi com um feirante vender calçado pelos mercados e feiras. 
Mais tarde montou o seu negócio. Hoje dizem que é um homem de sucesso.

Os outros seguiram-lhe o exemplo e ouvi dizer também que são pessoas realizadas.
A Ti Charuta morreu velhinha pouco depois do homem falecer.
Levava no rosto a simplicidade e o sorriso de gratidão ao povo desta terra que os ajudou nas dificuldades.


Desta casinha apenas me sobram alguns traços visuais.
Venderam o terreno e lá construíram uma bonita vivenda onde agora vive uma família que veio residir na nossa Aldeia.
Luíscoelho  

67 comentários:

  1. Linda história. Bons tempos de generosidade e compartilhamento. O verdadeiro espírito da Páscoa, da renovação. Hoje em dia não se vê mais.
    Feliz Passagem para você e seus amados, Luis. Um abraço, Angela
    http://noticiasdacozinha.blogspot.com

    ResponderEliminar
  2. Entrañable Historia de superación y solidaridad entre las gentes. Al final los hijos hicieron buen camino y se buscaron un honroso porvenir.
    Preciosa Historia, Luis.
    Un abrazo.

    ResponderEliminar
  3. uma história verdadeira que fica bem neste tempo

    um abraço

    ResponderEliminar
  4. Luis

    Vim desejar desde Aveiro
    feliz Páscoa .um beijinho

    Pascoa

    Um café...
    Um momento de inspiração...

    Um beijo...
    Uma saudade...

    Uma Páscoa...
    Um momento...

    Umas amêndoas...
    Um coelhinho...

    Um morrer...
    Um Ressuscitar...

    Jesus morreu...
    Porque nos quis mostrar...

    O valor do Amor...


    LILI LARANJO

    ResponderEliminar
  5. ME ENCANTA VENIR AQUÍ, PORQUE LAS HISTORIAS SE VIVEN.
    UN ABRAZO

    ResponderEliminar
  6. Ao bom estilo
    do romântico neo-realismo

    Hoje o poder
    está dominado por sacristães
    que obrigam a manobras
    muito mais trabalhosas
    da divisão
    (se é que sobrevivem tais valores)

    ResponderEliminar
  7. Doces recordações as tuas. Gosto de lê-las e viajo no tempo para alcançá-las.
    Um grande bj e uma linda Páscoa para ti.

    ResponderEliminar
  8. Luis
    Mais um estória de vida(s).
    De realçar a solidariedade dos vizinhos, infelizmente coisa cada vez mais rara.
    Abraço e um boa Páscoa aí para casa.
    Rodrigo

    ResponderEliminar
  9. Luís, meu bom amigo, as suas histórias sempre me fazem sentir em casa, quase como quando eu ouvia o eu pai falar. Obrigada pelos maravilhosos momentos que me proporciona quando o visito e leio o que escreve.
    Desejo-lhe uma iluminada Páscoa.
    Beijinhos de Luz!
    Ana Maria

    ResponderEliminar
  10. Olá Lidacoelho, estamos passando aqui no seu cantinho, para desejar um MARAVILHOSO final de semana juntamente uma Feliz Páscoa à você familiares e amigos seus ...
    Deixamos tbm um pensamento ..

    "A páscoa não é apenas um momento de reflexão,
    mas de renovação, da fé,
    dos costumes,
    de nossas atitudes
    diante do universo que nos rodeia."
    (Luis Alves)

    Receba nosso Carinhoso Abraço!!!
    R & M

    ResponderEliminar
  11. Lição de solidariedade, de partilha, de Páscoa.
    Feliz Páscoa.

    ResponderEliminar
  12. QUERIDO AMIGO
    Hoje vim para desejar que tua Páscoa seja muito abençoada e recheada de coisas boas. Que
    o verdadeiro sentido da Páscoa realmente seja relembrado e que Deus nos abençõe
    hoje e sempre.
    Com carinho...

    BRISA

    ResponderEliminar
  13. Meu querido amigo

    Hoje passando para desejar uma Páscoa Feliz e cheia de amor e paz, junto de todos que lhe são queridos.

    Beijinhos com carinho
    Sonhadora

    Depois volto para o ler como deve ser.

    ResponderEliminar
  14. Uma bonita história de partilha e de amor pelo próximo.

    _♥♥_♥♥
    _♥♥___♥♥
    _♥♥___♥♥_________♥♥♥♥
    _♥♥___♥♥_______♥♥___♥♥♥♥
    _♥♥__♥♥_______♥___♥♥___♥♥
    __♥♥__♥______♥__♥♥__♥♥♥__♥♥
    ___♥♥__♥____♥__♥♥_____♥♥__♥_____
    ____♥♥_♥♥__♥♥_♥♥________♥♥
    ____♥♥___♥♥__♥♥
    ___♥___________♥
    __♥_____________♥
    _♥____♥_____♥____♥
    _♥____/___@_____♥
    _♥______/♥__/___♥
    ___♥_____W_____♥
    _____♥♥_____♥♥
    _______♥♥♥♥♥

    Desejo-lhe uma Santa e feliz Páscoa. Que o espirito da Páscoa perdure em toda a humanidade, para que se construa um mundo mais justo.
    Abraço

    ResponderEliminar
  15. Suas histórias são envolventes, Luis e muito bem contadas.Parece até que vc estava presente...

    Mamãe diz que antigamente era comum as pessoas da roça se reunirem para contar histórias, hoje lemos na internet.Mudam-se os tempos, a forma, mas não as necessidades.É muito bom te ler.

    Luis, tenha uma feliz páscoa.

    Um beijo.

    ResponderEliminar
  16. Muito faz o amor e a solidariedade, esta história cativante dá-nos o testemunho e o retrato. Feliz Páscoa! Um abraço, Yayá.

    ResponderEliminar
  17. Querido Luis

    Uma Santa Páscoa, doce e tranquila, é o que desejo na perpetuação de uma vida que se quer sempre feliz!
    Grande abraço, amigo :)

    ResponderEliminar
  18. Estimado Luis

    Festejar la esperanza es hermoso!!!!!

    Felices Pascuas a ti y seres queridos!!!!

    .

    Abu

    ResponderEliminar
  19. Olá, Luis.

    Por vezes, fico pensando se a dureza da vida amarga a alma. Vejo tantas pessoas que sofreram muito, mas que hoje tem um sorriso largo no rosto. Em contrapartida, conheço alguns que sempre tiveram tudo, e mesmo assim são amargos. São mistérios que dificilmente vamos compreender bem, não é?

    Uma linda e comovente história, meu amigo. Excelente.

    Desejo a ti e toda a sua família, uma Páscoa recheada de felicidades.

    Abraços.

    Marcio

    ResponderEliminar
  20. Oh...Luís...quantas recordações...

    Desejos de um bom Domingo de Páscoa

    ResponderEliminar
  21. Uma Santa Páscoa pra ti e toda sua família meu amigo,,,abraços fraternos.

    ResponderEliminar
  22. Cada pedazo de tierra con una historia profunda. Me gusta como lo describes. Un abrazo!

    ResponderEliminar
  23. Que bom passar por aqui e ler estas histórias reais e tão cheias de humanidade.

    ResponderEliminar
  24. que história tão terna.

    um bom domingo de Páscoa.

    beij

    ResponderEliminar
  25. Por motivos alheios à minha vontade estive forçadamente ausente da blogosfera durante dois dias mas, como o dia ainda não terminou, aqui ficam os meus votos de que tenha tido uma Páscoa Feliz.
    Gostei de regressar e deparar-me com esta história ternurenta. Bem diferente da de Cátia Janine, que hoje aportou ao " Crónicas on the rocks"....

    ResponderEliminar
  26. Olá amigo Luís, mais uma maravilhosa história onde havia pobreza, mas também havia amor, muito amor. Linda meu amigo e uma história de vida de muita gente. Embora com atraso espero que a Páscoa tenha sido boa. Beijos com carinho

    ResponderEliminar
  27. Luís

    Suas histórias, ganham vida quando as escreve.
    Beijinho

    ResponderEliminar
  28. Histórias que ainda existem mas a humildade parece ter-se perdido :( E assim perde-se também a generosidade!

    Abraço.

    ResponderEliminar
  29. História marca o passar do tempo...
    Mudam oa costumes...
    Mudam os lugares...
    Muda a vida...
    Mudamos nós...
    Fica a lembrança e o relato nos traz essa percepção...
    Linda narrativa, amigo Luís!
    Abraço!

    ResponderEliminar
  30. Luis,
    Essas lembranças de tempos idos, são um tesouro, pois tornou-se raridade o tipo e estilo de vida, todavia se perpetuou em nossa mente.
    Essa sua história mostra a generosidade de um povo para com um necessitado. Amor ao próximo demonstrado em compartilhamento, em ações e nao somente palavras.
    Lindo texto!
    PS: Por aqui também tem muitos lobos maus que arreganham os dentes e parecem rir, mas so pensam em devorar mesmo.
    beijokas doces

    ResponderEliminar
  31. Estimado Amigo Luis Coelho,
    É sempre com enorme prazer que leu as suas maravilhosas histórias que nos dão a conhecer puras realidades do nosso quotidiano passado, e que sua maravilhosa pena tão bem sabe descrever.
    Adorei.
    Abraço amigo

    ResponderEliminar
  32. Hola Luis, que bella historia amigo. Besos, cuidate amigo.

    ResponderEliminar
  33. Há dias falavas-me do Fanhais, que eu conheci em 70 em Castelo Branco e que depois veio ser professor de música do meu filho em Viana do Alentejo.
    Agora lembrei-me, a propósito do teu conto, do Aleixo:
    O pão que sobra à riqueza
    distribuido pela razão,
    matava a fome à pobreza
    e ainda sobrava pão.

    Abraço grande
    João

    ResponderEliminar
  34. *É ... a família de Charuta é

    sinônimo de DIGNIDADE !!!

    *Bonita história de VIDA DE

    VERDADE !!! :)

    *Querido amigo Luís, desejo a

    Ti e a toda a sua família uma

    alegre *Páscoa !!!

    *Fiques com Deus.

    *Um abraço.

    ResponderEliminar
  35. Adoro esta forma magnifica de nos transportar pelos caminhos do passado.
    É um deambular pelos factos da vida, um regresso a recordações que ainda povoam as nossas memórias.
    Muito bom Luís

    ResponderEliminar
  36. Maravilhosa essa história.
    Gostei imenso.

    Desejo que sua páscoa tenha sido excelente.
    Uma ótima semana!
    Um grande abraço!

    ResponderEliminar
  37. Luís meu amigo, mais uma das tão lindas histórias que só você sabe contar com tanta ternura.
    Que delicia mesmo não tendo muito tempo gosto sempre de cá vir por vezes penso assim há, hoje só deixo um comentário pequeno e nem vou ler.
    Mas me creia é-me impossível não te ler era mesmo um crime, beijinhos de luz paz e muito amor em seu coração...
    alguém irá ficando para traz.

    ResponderEliminar
  38. Ñ acredito na bondade de ninguém. Segundo a Bíblia bom é só Deus.

    Mas vamos fingindo.

    Abraço

    ResponderEliminar
  39. Uma história de aldeia, de uma família humilde e solidária, talvez igual a outras existentes por esse país fora, contada com uma realidade que nos transporta para a cena e de uma forma ternurenta que comove. Gostei muito.

    ResponderEliminar
  40. Crónicas da vida campestre, Luís.
    Sempre deliciosas.
    Boa semana!!

    ResponderEliminar
  41. Parece que o tempo não passa!...
    Um caso mais, dos muitos que ilustra a nossa Terra.
    Uma boa redacção, detalhe nos mínimos pormenores, riqueza de vocabulário, todo um deleite para os sentidos. Donde a ternura enternece.
    Vamos acabar por conhecer esse belo rincão de Portugal quase tão bem como tu. Eu encantado!
    Abrazos de vida

    ResponderEliminar
  42. Luis, sensible historia... y tu la narras de manera estupenda.
    Buen miercoles
    Un gran abrazo

    ResponderEliminar
  43. A SOLIDARIEDADE E A AMIZADE SEMPRE FIZERAM HISTÓRIA. aCREDITO QUE, OS MAIS SIMPLES, SÃO OS MAIS FELIZES E POR ISSO, LEVAM PARA O CÉU UM SORRISO DE GRATIDÃO A QUEM CÁ FICA E AO cRIADOR QUE RECEBEU A TI CHARUTA DE BRAÇOS ABERTOS.
    bEIJO
    gRAÇA

    ResponderEliminar
  44. Parece que o mais triste e´que essas divisões de amêndoas estão em vias de regressar.


    Bons sonhos

    ResponderEliminar
  45. Hola Luis, bello leerte amigo. Cuidate mucho.

    ResponderEliminar
  46. Tempos bem mais difíceis do que os de agora. Mas pelo menos havia solidariedade e ganas de encarar a vida. Abraço!

    ResponderEliminar
  47. Comovente história que de novo me levou para a aldeia onde nasci e vivi até casar. Conheci muitas " Ti Charuta" vivendo em lugares miseráveis; fui vizinha de algumas; conheci também a grande generosidade do povo da aldeia; vizinhos com fome ninguém permitia; o pouco que havia era sempre distribuído.Ainda hoje, Luis, vemos que quem menos tem é quem mais dá. Obrigada por me permitires mais um regresso à minha infância e também por me fazeres lembrar das " Ti Charuta" que conheci, com quem fiz amizade; como a da tua história, criaram filhos valentes e que hoje vivem bem.Fica bem, amigo! Um beijinho
    Emília

    ResponderEliminar
  48. Eram tempos difíceis mas que traziam ao de cima o lado bom do ser humano.
    Comovente, esta história...

    Beijinhos

    ResponderEliminar
  49. por vezes me pergunto do que é feito desse amor incondicional, dessa partilha, hoje esta tudo tão mudado
    bjs

    ResponderEliminar
  50. Olá, Luis!

    História enternecedora, esta; difícil de imaginar aos muitos que hoje vivem neste reino da "abundância" - que parece estar a chegar ao fim...

    Nesse tempo era possível ser-se feliz com muito pouco; hoje nem com muito, muitos o conseguem ser - sinal dos tempos.

    Bonito texto; um abraço amigo.
    Vitor

    ResponderEliminar
  51. Luís, as suas histórias são lições de vida e de paz.A autenticidade imprime emoções acompanhadas de ternuras arrepiantes .
    Um encanto.Simplesmente .
    Abraço

    ResponderEliminar
  52. Uma históra que demonstra na prática o que significa amor e solidariedade,meu abraço voltando ao blogspot!

    ResponderEliminar
  53. Um belo final de semana pra ti meu amigo...abraços fraternos.

    ResponderEliminar
  54. Mais uma história muito comovente,
    Nesse tempo as crianças aceitavam
    sem protestar aquilo que os pais
    lhes davam com alegria.Presentemente
    muitas crianças têm demais e nunca
    estão satisfeitas.Meu amigo eu
    comecei a trabalhar com 9 anos, e
    o dinheiro do meu vencimento era
    inteirinho para dar aos meus pais,
    isto até ao final de um mês de
    Setembro e casei 16 dias depois.
    Trabalhei sempre, mais de 40 anos,
    até que um dia me puseram um
    papel na mão e disseram: está dispensada, as novas tecnologias
    vieram substituí-la(a mim e a mais
    colegas).
    Beijinhos e bom fim de semana.
    Irene

    ResponderEliminar
  55. São estas histórias de vidas ricas que nos enchem a alma, amigo Luís.
    Obrigada

    Beijo

    ResponderEliminar
  56. Realmente no esperaba menos de la piedad del sacerdote.
    Grato leerte.

    Cariños

    ResponderEliminar
  57. Post sensível, reflexivo e apropriadíssimo nesse mês pascal!
    Bom dia Luis!

    ResponderEliminar
  58. Um bom sábado pra ti meu amigo...abraços.

    ResponderEliminar
  59. A evolução, a tecnologia tira de nós um pouco da simplicidade da vida, dos relacionamentos olho nos olhos... uma pena.
    Adoro suas histórias tão reais Luís!
    Bom final de semana!!!

    ResponderEliminar
  60. A solidariedade das pessoas das aldeias, é um bem que toca o coração. Hoje cada vez mais se fala em ambição desmesurada, mas ainda se encontra, felizmente pessoas assim por todo o Portugal.

    Bfs

    ResponderEliminar
  61. Muito me emocionei ao ler este texto. Vivi algo tão parecido com a cena das amêndoas que é impossível ficar indiferente.
    Resido numa aldeia do norte alentejano e creio que por isso me identifico tanto com estes textos.
    A minha infância foi pobre, dura e muitas vezes sobrevivi graças à generosidade de vizinhos da aldeia.
    O tempo passou, consegui melhores condições do que aquelas que tiveram os meus pais, mas o sentimento...ah....esse ainda aqui está. Aqui e agora. Sempre.
    Obrigada

    ResponderEliminar
  62. Olá, Luís
    Passo pra felicitar-lhe ainda pelo período pascal que reina em nossos corações...
    Tudo de bom que a vida possa lhe oferecer...
    Os pobres são o rosto de Deus no mundo de hoje...
    Abraços fraternos de paz e festivos

    ResponderEliminar
  63. Quantas recordações...
    Amigos são perfumes que ficam em nossas mãos ao receber flores da Sinceridade, Carinho, afeto, ternura e uma Amizade Verdadeira.
    Agradeço pels asua companhia.
    Retribuo o meu carinho.
    Você é muito especial para mim.
    Durante a semana fica um pouco impossivel, mas no fim de semana é tudo mais fácil e venho com muito orgulho lhe agradecer e visitar.
    Obrigada pela nossa AMIZADE.
    VOCÊ É MUITO ESPECIAL PARA MIM.
    Um forte abraço e um beijo em seu coração.
    Até mais.
    Bom Final de Semana, cheio de Luz, Paz e Amor.
    Carinhosamente,
    Sandra

    ResponderEliminar
  64. Temos que acreditar que o amor não se perdeu totalmente,mas anda meio distante dos corações.Bela postagem,nos deixa alegre.Beijo na alma,de quem te lê.:- BYJOTAN.

    ResponderEliminar
  65. Emocionante.
    Acreditemos no poder da humanidade... o poder com o qual fazem o bem.

    ResponderEliminar
  66. LINDO LUIS!!!
    ALGUM TEMPO QUE NÃO VINHA LER OS SEUS CONTOS!!!
    1 BEIJO LÍDIA

    ResponderEliminar

Cada comentário é uma presença de amizade