sábado, 20 de dezembro de 2014

Sons da madrugada


Não sei porque uivam os cães,
Rugindo no abrir da madrugada,
Nem porque afinam as vozes
Estridentes e descompassadas.
Bombardeiam a suavidade da manhã
Estilhaçam o silêncio nascido nas estrelas.
Porquê tanta maldade crua e vã?
Será que têm alguma necessidade,
Ou querem avisar-nos de alguma calamidade?
Calai-vos algum tempo por caridade!
Já não suporto tanto latir à desgarrada.
Podiam uivar perto do meio-dia
Poderiam organizar com os galos uma sinfonia…
Por favor parem de chapinhar, 
Latindo impacientes ao dia amordaçado.
Sede dóceis e dar-vos-ei um carinho
E acabará este fado triste e desajeitado.
Calai-vos hoje e apenas por vossa vontade.
Estou cansado deste suplício e barbaridade!
Luíscoelho
Dezembro 2014

Nota:
Agradeço a todos os comentários e a partilha de pensamentos.
Naquela madrugada,lá fora, os cães uivavam insistentemente
Eram gritos incomodativos.Não os podia calar.
Fui escrevendo procurando saber porque uivam desesperados algumas noites. Terão outros motivos. Razões que desconheço.