domingo, 20 de dezembro de 2015

Presente de Natal

Skateboard on a white background
(foto google)

Neste Natal, gostaria de oferecer a todos quantos passam por aqui mais uma história bordada nas recordações que me sobram do Avô. Uma história de Natal.
Foram as suas mãos que deram vida aos nossos sonhos de criança. Foi a sua criatividade e imaginação que transformaram pedaços de coisas em coisas com vida, muita vida.

Numa manhã de um dia de Outubro fomos com o Avô à cidade - Leiria. Depois de sairmos do autocarro seguimos a pé, atravessando parte da cidade. Passámos pelo Jardim Luís de Camões e a seguir pelo Largo da Fonte Luminosa. Havia movimento nas ruas. Parecia dia de festa. O Avô seguia de olhar atento, explicando-nos algumas coisas que não conhecíamos.

- Avô, Avô espera aí! Deixa-nos ver aqueles rapazes a andarem naquelas tábuas - Skate. Deve ser maravilhoso poder andar naquilo! 
Depois o mais velho sugeriu:
- Podias fazer-nos um coisa daquelas?
Se calhar eu podia ajudar-te e depois brincávamos todos lá na nossa eira!

O Avô olhou-os com surpresa, mas ao mesmo tempo, foi fotografando com o seu olhar todos os pormenores daquela geringonça. 
Fez-se silêncio, mas todos os olhares se fixavam na agilidade daqueles meninos ali naquelas corridas.
- "Que baril meu !" - "bué da fixe !" 
Disseram eles, despertando de um sonho. 

Continuámos a subir em direcção à Câmara. Era para lá que o Avô ia. Ministério da Fazenda Pública, para pagar contribuições e ainda o Serviço Braçal. Não pescámos nada desta linguagem. A nossa cabeça ficou naquelas coisas que vimos antes. 
Explicou-nos que tinham de pagar ao Estado um imposto pelos terrenos que cultivavam e ainda tinham de pagar por trabalharem essas terras com a força dos seus braços - Serviço Braçal.

Depois de resolvido este assunto descemos por outro caminho - Rua Direita. Era necessário passar pelo Grémio da Lavoura. Hoje, Biblioteca Municipal. O Grémio agora é só das letras.

O tempo foi passando. O Avô não queria perder a camioneta da uma hora da tarde para o regresso a casa, mas ainda assim, entrou na padaria perto da Sé, no canto da rua Mouzinho de Albuquerque,  e comprou um pão de quilo.
Era um pão grande e mais uma fatia de outro pão para completar o peso. Depois de pagar, tirou do bolso uma navalha e cortou mais alguns pedaços iguais ao "contrapeso" para cada um de nós.  
Chegámos ao nosso destino. O Avô perguntou  qual era a camioneta e lá nos sentámos todos juntos. O Revisor haveria de passar durante a viagem para “cortar os bilhetes”.

Naquela semana não deixámos de lhe pedir que nos arranjasse uma coisa igual à que vimos na cidade. 
- Vê lá se arranjas tempo. Não te esqueças de nós!
O Avô guardou segredo, mas foi fazendo a nossa prenda de Natal sem a mostrar. Ele sabia inventar e iria deixar-nos muito felizes com um Skate feito por ele.
Uma tábua de cerca de um metro por 20 cm de largura.
As rodas foram as de uns patins que estavam no lixo.

Dia de Natal quando voltámos da Missa o Avô chamou-nos.
- Venham cá, vamos até à eira, preciso que me ajudem a carregar uma ração de feno para as nossas vaquinhas!
Chegados lá levantou umas sacas que escondiam o seu trabalho. 
Era a nossa prenda de Natal.
- Aqui está o vosso brinquedo! 
Foi o melhor que eu consegui fazer! Agora quero ver se ele funciona . Começamos pelo mais velho e depois vão os outros a seguir.

A nossa alegria quase nem nos deixava dizer obrigado. O skate rodou toda a manhã e não houve frio que nos impedisse de andar.
Os dias sucediam-se agora com mais um brinquedo que o Avô construiu e nos ofereceu.
Depois do almoço se nos deixarem voltaremos ! 
Novas corridas, novas viagens!

Este foi o melhor presente de Natal.
Dezembro/2015
Luiscoelho



Lúcia Bezerra de Paiva

Há 57 minutos  -  Partilhado publicamente
Melhor ,ainda mais , recordar em vésperas de Natal, um avô de tantas habilidades, satisfazendo os desejos dos netos.
Meu filho teve skate comprado em loja: outros tempos!
Feliz Natal, Coelho, com realizações dos seus desejos no Ano Novo.
Abraço!
 
 · 
Responder


Elvira Carvalho

Há 28 minutos  -  Partilhado publicamente
Que bonito relato Luís. E que privilégio ter um avô assim. Eu nunca tive avô paterno (meu pai era filho de pai incógnito) e o materno vivia na Beira Alta só o via no Natal. Meu pai sim, era muito habilidoso. Mas nunca fez brinquedos. Valha a verdade , que nunca lhos pedimos. Mas fazia-nos máscaras pelo Carnaval. E tamancas para o inverno, e sandálias para o Verão. Além dos poucos móveis que tínhamos e que foram todos feitos por ele. Tenho tantas saudades dele.
Um abraço e bom domingo