domingo, 9 de janeiro de 2011

Amor

A poucos quilómetros daqui, existe uma outra aldeia do concelho de Leiria que se chama Amor.
A origem do nome perde-se nos tempos. 


Conta-se que a origem deste nome remonta ao tempo do Rei D. Dinis de cognome o Lavrador.
Na saída norte da A 17 para a cidade de Leiria, confinam as três freguesias. 
- A norte e a nascente - Ortigosa
-A sul - Regueira de Pontes
-A poente a freguesia de Amor.


Quando El Rei D. Dinis se dedicava à sementeira do pinhal de Leiria e ao cultivo dos campos férteis do rio Lis, campos de Ulmar, estabeleceram residência numa casa no alto de Monte Real (monte do Rei).
As ruínas ainda atestam a presença Real daquelas épocas.


À noite a Rainha Santa Isabel dedicava-se às suas orações enquanto o Rei montado nas suas cavalgaduras procurava os prazeres carnais  de belas e formosas moças a poucos quilómetros de distância no lugar de Amor.


A Rainha, sabedora das suas infidelidades, mandou acender velas pelos caminhos por onde o seu marido haveria de passar de regresso a casa e depois de boas noitadas de amor em Amor.


O Rei, curioso, perguntou-lhe a razão daquelas velas acesas durante a noite ao que a esposa lhe respondeu:
- São para iluminar o caminho "a quem cego vinha" 
Assim nasceu o nome do lugar de Segodim (cego vim) que fica situado em meio do caminho entre Amor e Monte Real.


Hoje são nomes correntes que fazem parte da toponímia local.


Amor local das farras
Segodim passagem de Cegovim
Monte Real residência oficial


Luíscoelho 


PS - Este texto foi feito a pedido do Blogue da Tulipa - Momentos Perfeitos.
Certamente encontrarão histórias mais completas nos livros de boas bibliotecas.
Limitei-me a contar o que me contaram com amor.

42 comentários:

  1. Por tantas e tantas vezes ter passado por Amor
    venho agradecer-lhe a explicação,
    caro autor
    (isto tem sempre que rimar...)

    ResponderEliminar
  2. Que coisa boa poder saber de algo que faz parte da cultura de tua terra, meu amigo.
    Um abraço

    ResponderEliminar
  3. Caro Luis
    As estórias que conheço são mais ou menos idênticas com alguma nuances. Mas na verdade tudo indica que alguns dos nomes das "terras" aqui à volta se devem à passagem de El-Rei por estas bandas.
    Há a Garcia (segundo parece o primeiro aglomerada populacional que deu origem à Marinha Grande) que seria a zona de caça de Garças, etc...
    Abraço

    ResponderEliminar
  4. Interessante isso...E u8m liugar chamado AMOR é legal de morar... Eu, por ex. moro numa rua que se chama Felicíssimo e adoro, me faz bem...

    abraços,chica

    ResponderEliminar
  5. Muito gostei de sua historia, e da sabia rainha, que com astúcia fez lenda com sua dor.
    as vezes precisamos velas acender nos caminhos, porque as emoções nos cega, nos deixam vulneráveis as escuras.
    Amigo parabéns pela bela escrita, e lembrando que estamos em novo ano, desejo-lhe que seja muito feliz, juntamente com toda sua familia, abraços fraternos de gratidão por seu constante carinho.

    ResponderEliminar
  6. Venho desejar uma boa semana
    Ronrons da
    Kika

    ResponderEliminar
  7. Obrigada. Tenho curiosidade de saber as origens dos nomes de nossas terras e sempre tento aprender com as pessoas que vivem nas localidades. Já tinha passado por Amor e comentei com meu marido o porquê desse nome. Lembro que começamos a imaginar várias opções... Agradeço muito a partilha. Por causa das "viagens" do Rei D. Dinis, a Rainha "batizou" muitas terras, como Odivelas = "Meu senhor, já IDE VÊ-LAS?"

    ResponderEliminar
  8. Venho desejar que esteja tudo
    bem.
    Bj./Irene

    ResponderEliminar
  9. Muito interessante esta informação; às vezes passo por lugares com nomes estranhos e fico imaginando o porquê dessa escolha; há sempre um motivo. A raínha, claro, como é costume das mulheres, foi sábia e teve uma maneira elegante e esperta de dizer ao seu marido que conhecia o motivo das suas andanças. Sempre que passo em Leiria, lembro de uma grande amiga que estudou comigo em Ponte de Lima, no colégio Dª Maria Pia, há mais de 40 anos; perdi-lhe o rasto. Ela era de Palmeiria, Caranguejeira; sei onde fica, já fui lá há muitos anos, mas agora não sei onde pára. Bem...quem sabe um dia a vida nos proporciona um reencontro. Um beijinho e parabéns pelo post
    Emília

    ResponderEliminar
  10. Olá amigo. Estou voltando, depois de um pequeno período de descanso. Adorei a leitura. Não conhecia essa versão cultural. Grande abraço.

    ResponderEliminar
  11. Adorei a leitura, saber dessa linda história de Amor...
    Bjs.

    ResponderEliminar
  12. A transmissão do património cultural tem por tradição a oralidade. Assim, agradeço o reconto feito ao correr da pena, como tão bem sabe fazer.
    Quanto a D. Juan... Ah! Desculpe D.Dinis, que dizer? Se o amor em Amor o cegava...

    Um beijo

    ResponderEliminar
  13. É de facto curioso saber a origenm das coisas, incluindo a toponímia. Não sabemos se é verdade mas não era por acaso que a rainha era santa...

    Um abraço

    ResponderEliminar
  14. História bem interessante, Luís amigo, ganhando muito de vida com o seu jeito tão singelo de a contar!
    Há, de facto, uma riqueza cultural enorme por cada caminho desta nossa terra "amada"...
    Abraço

    ResponderEliminar
  15. Meu nobre amigo Luis, é o amor sempre prevalece. Parabéns.

    forte abraço

    C@urosa

    ResponderEliminar
  16. Luis,
    Interessante esta história, agradeço pelo conhecimento adquirido, ultimamente tenho lido muito acerca de Portugal, cultura, costumes, economia, cidades, tem sido boa a viagem, mesmo que imaginária.
    bjs.
    Obrigada por suas palavras no meu Amor e sabor*

    ResponderEliminar
  17. Fiquei a saber. Gostei e alarguei conhecimentos.
    o meu obrigado


    abração

    ResponderEliminar
  18. É curiosa a história que contas. Conheço o local, mas nunca tinha ouvido tal relação. Compreendo então por que dizem que o amor é cego...

    Abraço
    João

    ResponderEliminar
  19. é sempre bom passar por aqui
    beijo
    bom ano

    ResponderEliminar
  20. Belissimo, nada melhor do que um lugar se chamar Amor,,,amor é bom em todos os cantos,,,seja como for...abraços de boa semana.

    ResponderEliminar
  21. ♥ Olá, amigo!
    Passei para desejar uma boa semana, cheia de luz, paz e muita inspiração.
    Amei a leitura, amor, cegueira e perdão...
    Bj♥s.
    Brasil ♥♥

    ResponderEliminar
  22. Amigo Luis ja passei por amor, mas não sabia a razão do seu nome, pelo visto o Rei D. Dinis se perdeu por amores nessa terra.
    um abraço
    Santa Cruz

    ResponderEliminar
  23. Histórias antigas.

    Mas não há fumo sem fogo...

    Bem, é trazê-las até nós!

    Um forte abraço para você.

    ResponderEliminar
  24. ...e a rainha usou da
    sabedoria feminina,
    transformando dor
    e amor!

    belíssimo post, como sempre!

    bj, poeta!

    ResponderEliminar
  25. Muito interessante este pedaço de história de Amor... Gosto muito de saber a origem dos nomes sejam de pessoas ou lugares. Dá-lhes vida!
    Nunca por aí passei, mas se um dia andar por esses lados saberei que a Rainha Santa por lá andou... e a sua atitude de acordo com a sua santidade.
    abraço

    ResponderEliminar
  26. Quando os meus pais eram vivos e viviam na Figueira da Foz, eu ia lá muitas vezes, e lembro-me perfeitamente de ver a placa de «Amor» à passagem por Leiria.
    Desconhecia por completo a origem do nome.
    Adorei saber, assim como as "aventuras" de D.Dinis e Dona Isabel (de Aragão).
    O rei era "fresco", pelos vistos, mas tinha a atenuante de ser muito jovem, já que se casou com apenas 19 anos. Tinha o sangue na guelra :)))

    Óptima postagem.

    Boa semana. Beijinhos

    ResponderEliminar
  27. Nunca passei por "Amor" mas meu amigo obrigada por esta história.
    Se um dia passar lembrar-me-ei
    de si.
    Um beijinho e desejo que esteja
    bem.
    Irene

    ResponderEliminar
  28. é engraçado ver o nome que as terras vieram a dar de alguns que inicialmente tiveram por exemplo não muito longe em Patais derivou de de mandarem as aias andarem a pé ou seja " á pata aias"
    beijinhos

    ResponderEliminar
  29. LUIS

    nas minhas mão o meu carinho.
    Linda a tua história

    Um beijo e continuamos a remar... na poesia ... a interrogação
    e a certeza ...
    Que algo vai ficando nas pessoas que nos lêem......

    ResponderEliminar
  30. O amigo: um ser que a vida não explica
    Que só se vai ao ver outro nascer
    E o espelho de minha alma multiplica...


    Vinicius de Moraes

    Amor & Paz no seu dia...Beijos...M@ria

    ResponderEliminar
  31. Um belissimo dia pra ti amigo,,,abraços.

    ResponderEliminar
  32. *
    cheira-me
    a serviços cartográficos.
    da Camara Municipal de Leiria !,
    srsrsrsr,
    ,
    abraço,
    ,
    *

    ResponderEliminar
  33. As lendas acerca dos nomes de terras são sempre interessantes.

    Um abraço


    POR FAVOR, retire as letras de verificação: hoje tive que escrever FOIDER

    ResponderEliminar
  34. Um bom e fiel amigo, o LUÍS. Quando o conheci na blogosfera tinha um ou dois seguidores, tal como eu. Fico feliz que tivesse grangeado tantas amizades, o que considero muito simples depois de as pessoas o conhecerem. Devo-lhe muito, amigo, sobretudo pelos "puxões de orelhas" que me deu, mas sobretudo pelas belas palavras de ânimo e de vontade de viver... Bem-haja, amigo Luís.
    Um grande abraço de reconhecimento. Desejo-lhe tudo de bom para 2011.
    António

    NOTA DE CURIOSIDADE:
    Relativamente ao comentário da amiga São lembrei-me que o ditador Salazar mandou alterar a marca dum camião para PODEN, lembra-se?

    A FODEN é uma marca de camiões de carga fundada em 1887 por Edwin Foden. Durante muito tempo manteve a propulsão a vapor enquanto as outras marcas já se tinham virado para os motores diesel, bastante mais rentáveis. Em 1931, o seu filho E.R. Foden, não partilhando a opinião do seu pai, criou a sua própria marca, a ERF. A FODEN continuou a produzir os seus camiões até 1981, ano em que foi adquirida pela construtora americana Paccar. Esta marca foi comercializada também em Portugal sob outro nome: Poden.



    Mais em: http://obviousmag.org/archives/2007/04/foden.html#ixzz1AlcnlNk7

    ResponderEliminar
  35. Olá, Luis!

    Também por lá passei muitas vezes, mas longe de mim imaginar que esse amor tivesse algo a ver com os amores reais de Sua Alteza, homem de sorte, casado com mulher tolerante, e também diplomata...
    Todo o nome de terra têm por detrás uma explicação, e a desta já fiquei a conhecer - e gostei.

    Abraço amigo.
    Vitor

    ResponderEliminar
  36. Adorei esta história que ainda não conhecia!
    Obrigado luís
    Abç
    G.J.

    ResponderEliminar
  37. E como eu adoro a Rainha Santa Isabel, fiquei a saber algo que não sabia. Como o amor é cego...digo eu... mas o amor é o amor e está tudo dito.

    um beijinho da laura

    ResponderEliminar
  38. LUIS

    O mundo è Grande
    É Redondo...
    Dá para darmos as mãos e sentirmos que estamos perto

    vou estar uns dias fora (HOLLANDA) espero que me alegrem o blog
    Um beijo.

    ResponderEliminar
  39. Meu querido amigo

    Hoje passando apenas para agradecer o carinho que me deixou sempre e dizer que estou melhor e com saudades dos amigos.

    Beijinho
    Sonhadora

    ResponderEliminar
  40. Simpático e Admirável Amigo:
    Uma bela visão de nomes de localidades perfeitas e sublimes, frutos da sua investigação apurada e extraordinária.E fabuloso e fantástico.
    Possui uma magia admirável, como escreve com sentimento e pureza belas e gigantes. De forma soberba e extraordinária.
    Parabéns sibceros.
    Adorei.
    Magistral de deslumbrar.
    Abraço amigo ao seu talento plasmado de terna magia.
    Com respeito e admiração constantes a que já nos habituou.

    pena

    Fabuloso.
    Bem-Haja, precioso amigo.
    Adorei. É fantático.

    ResponderEliminar
  41. Obrigado pelas palavras em relação ao meu blogue. Tento levar tudo na desportiva sim, senão estávamos muito mal.

    Amor é a freguesia ao lado de onde neste momento moro...Monte Real!

    ResponderEliminar
  42. Olá, Luís. Mais umas observações interessantes sobre Portugal. Gostei! Em julho passado, por ocasião da minha estadia nessa tua linda terra, passei várias vezes por Leiria.Sabes que eu e Miguel nos lembramos de ti? Beijinhos.

    ResponderEliminar

Cada comentário é uma presença de amizade