domingo, 27 de abril de 2014

Abril
(foto google)

O povo saiu à rua e cantando mostrou ao mundo
Que Abril floriu sem dor nas cores da liberdade
E nos campos semearam novas regras de igualdade
De mãos dadas seguiram em passos firmes, com rumo,
Caminhando e construindo um País de fraternidade.

Do meio do povo surgiram os traidores da nossa Pátria
Aqueles que venderam e destruíram o canto da liberdade
Hipotecando o País sem qualquer responsabilidade
Gastaram em obras de loucos e muita rede viária
Que agora vendem em saldos aos amigos por caridade

Abril floriu sem armas, sem bombas nem oposição
E o povo viveu sem guerra, amando a sua Nação
Agora espezinhado e traído já não tem outra razão
Senão pegar nas armas de Abril e cantar revolução
Fora com tantos traidores que vivem de exploração

Abril é um grito nocturno, um canto de dor e saudade
É a voz do povo exigindo mais respeito e moralidade 
É tempo de parar abusos de quem governa tão mal
Roubando o pão do povo e oferecendo-o ao capital
É tempo de fazer justiça ao governo desleal
Que de mentira em mentira vai detruindo Portugal
Luíscoelho – Abril/2014