sexta-feira, 5 de agosto de 2011

Vai e deixa-me só


(foto google)


Agora tenho medo, tanto medo
Parece que me persegues
Que te aproximas e me levas neste enredo. 
Queria ver-te sem que me visses,
Seguir-te sem que me descobrisses.
Agora, tenho medo do teu olhar.
Parece que entras dentro de mim,
Que me devassas a alma e o corpo
Que roubas o meu espaço
E não me deixas respirar.
Queria ouvir-te silenciosamente,
Beber o som das tuas palavras.
Imaginei-te dentro de mim
Construí-te como gostava de te ver
Desenhei-te nas formas do teu ser.
Mas agora que estás perto, tenho medo,
Tanto medo que penso fugir de ti,
Esconder-me muito longe daqui e de mim. 
Este medo já me farta e nos afasta, 
Parou o meu coração e o sonho.
O sangue solidificou a razão. 
Não te aproximes mais,
Deixa-me morrer sozinho.
Que o meu silêncio me baste
E que esta dor se aparte.........
Luíscoelho