domingo, 1 de março de 2015

Domingo à Tarde - 2ª parte

Hoje não fomos fazer nenhum passeio. Decidimos ir às compras. Precisamos de reabastecer o frigorífico para a semana. Os almoços, as merendas e o jantar têm de ficar programados.
Começámos pelo Banco. Depois de actualizar a caderneta e ver o saldo, levantámos o indispensável para as necessidades de cada dia.
De seguida fomos comprar charcutaria, peixe e alguma fruta. Não nos importa a quantidade, mas a qualidade daquilo que compramos. Menos e melhor.
Também já fomos enganados.
Comprámos leite mais barato – promoção, que depois ninguém conseguiu beber. Azedava simplesmente.
Hoje tivemos necessidade de levar o saco. Já lançaram mais uma tacha sobre os sacos de plástico. Não sabemos para quê e nem porquê. Uma tacha que não tem cabimento nos nossos magros vencimentos.
Os políticos em vez de baixarem as suas mordomias, vencimentos e regalias vão lançando tachas e impostos que nos sobrecarregam a todos.
Já nos prevenimos. Agora andamos com sacos no carro e com uma moeda para os carrinhos do exterior. Depois do pagamento é mais fácil transportar tudo e arrumar as coisas como gostamos.
Nada se faz sem trabalho, mas juntemos a tudo boa disposição e espírito de organização.

A minha mulher sugeriu:
- Passemos pelo Lidil para ver se existem promoções. Já lá encontrámos diversas coisas para o lar e a preços compensadores.
- Calha em caminho. Respondi. Vamos até lá.
Depois de dar uma volta pelos corredores centrais, verificamos que não havia nada do que procurávamos.
Comprámos apenas dois chocolates. Quando passamos eles riem-se para nós e lá nas prateleiras, chamam baixinho:
- Leva-me! Estou em conta!...
Ui, aqueles com avelãs cegam-me. Nem sempre lhes resisto, mas também nem sempre os ouço chamar naquela melodia de encantamento.
Muitos dias entro surdo, cego e mudo.
Apenas vejo o que procuro e desapareço muito rapidamente, não vá o diabo tentar-me com aquilo que não preciso…

Estávamos no parque, junto do carro e com as portas abertas, quando se aproximou Skoda branco. Buzinou e dirigindo-se a mim, perguntou se estava tudo bem.
Depois saiu do carro e  veio estender-me a mão, num cumprimento um pouco estranho.
- Não se lembra de mim? Fui levar muitas cartinhas a sua casa. Eu trabalhei nos CTT.
- Não, respondi. Não conheço não.
 - Sabe eu tinha bigode. Agora estou diferente. Imediatamente pergunta:
- Posso cumprimentar a sua esposa?
Nem esperou pela resposta. Meteu-se à conversa com a minha mulher que já estava sentada dentro do carro, mas ainda com a porta aberta. A minha mulher confirmou que também não o conhecia.
- Olhe, continuou, agora sou chefe de vendas na Vorten. Se precisarem de alguma coisa procurem-me. Vou estacionar o meu carro e trazer-vos um cartãozinho.

Assim que ele virou costas, eu sentei-me ao volante e  saí dali acelerando o que podia. Depois fui vendo, pelo retrovisor, se estava a ser seguido…
A minha mulher dizia:
- Grande filho da mãe. Estafermo! Aquilo era um assalto. Ele deve-nos ter seguido desde o Banco. Não atacou antes para não criar desconfiança…

Em casa, contámos a história e todos confirmaram as nossas suspeições. Eles andam por aí. Atacam onde podem. As pessoas não desconfiam e depois é tarde demais.
Deveria haver ainda outros cúmplices na retaguarda deste fulano, mas não tive mais tempo para verificar. Era urgente sair dali.
Desta vez livrei-me de muitos problemas e aborrecimentos…
Sorte? Simplicidade?!...
Não sei mesmo, mas nesta tarde o meu Anjo da Guarda, estava perto e foi meu protector.
Luíscoelho
Março/2015