quarta-feira, 15 de dezembro de 2010

Presépio/2010


Rogério Lorenzoni
(Foto google)



Natal são as noites frias, 
Húmidas de esperança,
Lembranças perdidas
Procurando a Verdade.
Natal são presépios vivos
São cristais de saudade,
Buscando a alegria
Na sã Amizade.
São crianças maduras
Que cresceram sozinhas  
Com muitas agruras.
Natal são as tardes mornas
Numa luz que renasce
E no amor ao Menino
Que nos ensinou a partilha
E nos falou do perdão,
Que transformou o mundo
Ensinando a Paz e a União
Luíscoelho

Nota
Uma noite mal dormida, muitas palavras incompletas, dores dispersas e pensamentos desalinhados   deu um primeiro poema pobremente vestido.
Nele pretendia deixar uma mensagem de muito amor e carinho para todos, vindo agora repor novo poema dentro das minhas limitações.
2010 Dezembro16 
Luís Coelho



Manhãs frias, húmidas de esperança
Construindo o Natal num sonho de amor
Presépio de pedras tristes, cinzentas 
Em vendavais poluentes de desamor
Chuvas ácidas de fome, tortura,
Guerras, roubo, violações dos inocentes 
Coisas tristes destes dias tão presentes
Tantas lágrimas de pessoas sem ternura.


Tardes mornas de chuva intermitente
Quando a luz se vai sofregamente
Nos gritos lentos das folhas adormecidas.
Presépio que se faz continuamente
Pelas mãos repetidas e crianças convencidas
Que a terra dará pão e o Sol será a razão,
A força esquecida numa súplica repetida
Que renasce cada dia com amor em oração.
Luíscoelho  

Desejo a todos quantos passam por este cantinho, um Santo Natal e um Feliz 2011.
Agradeço reconhecido as palavras de apoio e as visitas sempre agradáveis. BEM HAJAM