quarta-feira, 28 de outubro de 2009

Aos poucos sinto que nos afastamos
Tens o futuro nos teus olhos azuis
Tens garra nas tuas iniciativas
De quanto vivemos e sonhamos.
Corres apressadamente pelo dia
Trabalhando e lutando sem parar
Aperfeiçoando os conhecimentos
Presentes ou passados a renovar.
Sabes como te amo e te quero bem
Sem reclamar nada do que te dei
Para que fizesses uma boa viagem.
Lamento quando não tive tempo
Para cantarmos juntos as tuas baladas
Dedilhando a viola nas noites de Inverno
Revivendo a saudade de amor fraterno.
Lamento quando não tive tempo
De jogarmos às damas ou monopólio
E até das bolinhas de sabão ao vento.
Agora deves correr, amar e viver
Carregando as malas da vida a sorrir.
Guardo a saudade de te ver partir
Que escondo nos dias de te ver chegar
E também aquele desejo de te acompanhar
Vivendo e sentindo todos os teus passos
Emprestando-te um ombro nos fracassos
Procurando mais as pequenas vitórias
Mostrando sempre esse bom coração
luiscoelho