segunda-feira, 15 de fevereiro de 2010

Caminhos vazios


Caminhos vazios
No silêncio do tempo
Marcados pelos passos
Que se apagam lentos
Na passagem rápida
Destes momentos
Onde sopram vivos 
Todos os ventos

Meus gritos se vão
Nos ecos da voz
E na sombra das pedras 
Atapetando o chão
Meus cantos são ais
São tristes lamentos
São a dor que nos sai
De dentro do coração

Os caminhos são voz
O silêncio são os gritos
Que se apertam em nós
luiscoelho