domingo, 28 de fevereiro de 2010

ventos

Passam os ventos soprando 
Nas árvores com rebeldia
Marcam a sua passagem 
Em qualquer hora do dia
E fazem-nos pensar na vida
Quando a força não é aragem.
Se o sopro do vento me desse
Aquele amor que partiu
Queria que o vento soprasse
Toda a noite e todo o dia
Trazendo o tempo de volta
Com amor e muita alegria.
Os ventos são mensageiros 
De muitas coisas na vida
Parados são passageiros
À espera de nova partida
Soprando de Sul ou do Norte
Sendo mais frio ou mais forte
Sua passagem é constante 
De hora a hora  repetida
luiscoelho