segunda-feira, 4 de janeiro de 2010

esste sono

Este sono que me foge
Me acorda e me alerta
Trás um cansaço dobrado
E o olhar me desperta
Nas crianças abandonadas
Nos velhinhos em perigo
Com a esperança destroçada,
Pelas guerras frias e nuas
De palavras sem amor
E sempre, sempre tão cruas
Que só aumentam a dor.
Este sono que me foge
Vagueando pelo tempo
Já me cansa o pensamento 
Por tantos dias vividos
Sem amor sem esperança
Tantas noites a vaguear

Desejando descobrir
A cura para este mundo

Voltar de novo a sorrir
luiscoelho