quarta-feira, 29 de abril de 2009

Lágrima de Mãe

Uma lágrima perdida naquele olhar
Por tudo quanto o fazem sonhar
Nunca vê razões para aquele chorar
Nem para o amor que lhe querem roubar
Uma lágrima que teima em sorrir
Sem tempo nem hora marcada para vir
Mas sempre teima e tem de sair
Quando as dores não querem partir
Uma lágrima sempre a brilhar
No rosto de alguém a cantar
Esse amor que tem de dobrar
Para os outros poder animar
Essas lágrimas não caiem em vão
Elas vão caindo sempre com razão
Nos momentos de dor e aflição
Quando se vive o amor com doação
As tuas lágrimas são cristais
De beleza pura e doação tais
Que sendo pequenas também são reais.

luiscoelho