sábado, 18 de julho de 2009

brisa do entardecer

Brisa morna do entardecer
Suavemente caindo neste anoitecer
Carregada de sorrisos e palavras
Pequenos gestos e silêncios graves
Que se ouvem perdidos no vento
Que nos traz a saudade encantada
Na penumbra do esquecimento.
Aragem fresca com aroma das flores
Espalhadas nos campos escurecidos
E renascendo nos corações agradecidos.
Encanto perdido no agradável silêncio
Das palavras, dos gestos e pensamentos.
Aragem refrescante que alimenta
O cheiro da terra e das sementes
Que o piar das aves acalenta
Brisa leve que me afaga os sentimentos
Buscando no sentir das emoções
Que nos enchem de finas recordações .

luiscoelho