sábado, 7 de novembro de 2009

Canto de noite ou de dia
Nas horas que entender
Canto as dores ou a alegria
E tudo o que me acontecer.
Canto agora simplesmente
As coisas que quis fazer
Ou aquelas que piamente
Acreditei poder tecer.
Cantos simples e modestos,
Até dos tristes gemidos
Cantarei apenas os restos
Para nunca sejam esquecidos.
Cantarei como os pardais
Quando fazem os ninhos
Alguns dias a sorrir
Outros sem nada demais
Mas todos sempre a pedir
Por outros que hão-de vir
Mais belos e a sorrir
luiscoelho