quarta-feira, 18 de novembro de 2009

Cantarei a dobrar

Quero escrever-te um poema
Enchendo-o de emoções
Simples e frágil como a pena
Mas com a fúria dos vulcões.
Depois de escrito cantá-lo
Com vida, alma e coração
Para que possas escutá-lo
Com leve e sentida emoção.
Quero escrever-te um poema
Cheio de cor, rima e alegria
Onde as letras façam a faena
Num espectáculo de magia.
E depois quero chorá-lo
Num fado de triste saudade
Pois te recusas a amá-lo
Por vergonha ou por vaidade.
Quero escrever-te um poema
Com tudo o que me vai na alma
De sonhos puros em gema,
Desejos vivos em chama.
Cantarei tudo a dobrar
Com mais força e muita vida
O amor tem de acordar
Quando lhe damos guarida.
luiscoelho