quarta-feira, 4 de novembro de 2009

A fonte do teu amor

Quero beber o teu amor
Senti-lo dentro de mim
Saboreá-lo lentamente
Num prazer que não tem fim.
É suave o sabor do teu amor,
Agradável ao olhar com alegria
Mexe cá dentro de nós
Com infinita magia.
A fonte do teu amor
Nunca parou de correr
Nasce e morre sorridente
Para quem lá for beber.
Este amor não mata a sede
Não satisfaz nem contenta
Quanto mais dele bebemos
Mais sede se acrescenta.
Meus olhos por aqui ficam
Sem saber o que fazer
Se vivo do teu amor
Sem ele fico a sofrer.
luíscoelho.