quinta-feira, 3 de dezembro de 2009

Chuva

A chuva cai lentamente
Tocada pela brisa da manhã
Molhando e regando todos os cantos,
Penetrando no corpo da terra
Possuindo-a em profundidade
Com coloridos e suaves mantos
Até onde o pensamento alcança
Vivendo a paz e a felicidade.
A chuva cai lentamente repassando,
Formando rios no interior da serra,
Finas gotas que se vão juntando
Pecorrendo silenciosamente o seu interior
Desbravando a sua alma e a sua nudez
Deixando abertas as feridas e a dor.
Sinto-me chuva andando no tempo
Corrida veloz marcada no vento
Seguindo nos caminhos do pensamento
luiscoelho