quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Dorme

Dorme meu amor
A noite é longa
O frio é forte
E não há quem suporte
A tristeza e a fome
Que veio visitar-nos
Neste recanto
Num país sem nome.
Dou-te o meu abraço
No calor do peito
Mesmo sem jeito
Do teu colo e regaço
Onde entro e canto
Como por encanto
De ter ver dormir.
Dorme, dorme
Não chores para eu sorrir
Luiscoelho